Festa de pensamentos vazios

Mais uma grande aventura repleta de mágoas e tristeza está prestes a começar. Eu peço muitas Desculpas e ainda não consigo entender o porquê disso. Eu sou bem problemático comigo mesmo. Entro em conflitos infinitos e batalhas já perdidas no limbo da minha mente.

Eu vou pular a parte chata de tudo o que falo sobre mim e vou me direcionar no problema. Não sei o que estou a sentir no exato momento. Não sei a quem dirigir a palavra de súplica. De fato, queria saber de alguma coisa em minha jornada.

Tá difícil ser paciente, tá difícil lidar com a ausência do fácil e tá fácil se perder nessa vastidão de pensamentos vazios. Imagine um mar, um oceano inteiro de minúsculas palavras, agora imagine que cada uma dessas minúsculas palavras são pensamentos e que esse imenso mar está localizado na sua cabeça. O mar de pensamentos está em festa hoje, ou metafóricamente, ele está agitado. A luta e real é a insanidade e beira mar. Mas não existe um objetivo em cada palavra, são todas vazias. Não existe a existência. A existência é nula, inconsistente.

O menino caiu no mar.
One clap, two clap, three clap, forty?

By clapping more or less, you can signal to us which stories really stand out.