Caos — o início de tudo

Monika von Koss
Jul 30 · 3 min read
Imagem de Prawny por Pixabay

Semana passada, uma borboleta deve ter batido asas em algum lugar do universo e minha conexão com a internet emudeceu.

Um evento simples, pelo qual certamente a maioria das pessoas conectadas já passou. Mas, por uma razão obscura, a solução deste simples evento lança a nossa vida moderna no caos. Pelo menos o fez com a minha. E me abriu a possibilidade de - para não dizer que me obrigou a - realizar um trabalho interno intenso de acomodação das minhas emoções, levando-me a pensar sobre o caos que se espalha pelo planeta.

A ideia comum de que o caos é desordem total se origina de Ovídio que, em Metamorfoses, descreveu o caos como uma “massa crua e indigesta, um amontoado sem vida, não formado e não emoldurado, de sementes chacoalhando“.

Para os órficos, o caos era o útero da escuridão.

Mas de acordo com a moderna Teoria do Caos, há uma ordem nisto que nos parece caótico e basta uma pequena alteração em um ponto inicial de um sistema complexo para surgirem mudanças significativas mais adiante. A isto se deu o nome de ‘efeito borboleta’.

Imagem de Gerd Altmann por Pixabay

Originando-se do grego khaos, a palavra era inicialmente utilizada com o significado de fender-se, dividir-se em dois, entreabrir-se. E neste sentido se refere ao estado primevo da existência e à força que causa a sua separação. Ao fender-se sob o próprio impulso, a condição inicial produz o ‘vazio escancarado’, semelhante ao que surge quando a boca se abre num bocejo.

Vários são os mitos gregos que tentam dar conta do nascimento do universo. Em todos eles, o significado de caos se refere ao espaço, o grande vazio exterior, o útero da escuridão, do qual surgem todas as coisas. O ‘nada’ de onde os primeiros objetos da existência apareceram.

Para os órficos, o caos era o útero da escuridão. Cortejando a Noite de escuras asas, o vento depositou nela o ovo prateado que continha o universo. Deste ovo emergiu Eros, que pôs o universo em movimento. No mito pelasgo, quem emergiu do caos foi Eurínome, Deusa de Todas as Coisas, a que viaja longe, a lua. Para os olímpicos, foi Gaia, a Mãe-Terra, que emergiu do caos e pariu seu filho Urano.

Não por acaso o caos sempre foi associado com o feminino. Entreabrir-se é o que faz o corpo da mulher quando dá à luz, dividindo-se em dois; fender-se é o que faz a terra para permitir a emergência das plantas, das águas, dos minerais, ou quando nos toma de volta ao seu ventre no momento da morte.

Mas, se no início, o caos se referia ao poder fecundo e criativo do feminino e da vida, quando nos acostumamos com o cosmos, uma determinada ordem estabelecida, começamos a temer o caos.

Enquanto o caos é, originalmente, o momento único de cada ato criativo, ele sempre se opõe a qualquer ordem estabelecida. Quando a criatividade vital caracteristicamente humana é submetida a uma ordem social fixa, externamente condicionada, o caos se torna algo a ser temido e evitado a todo custo.

Assim, quando a ‘ordem estabelecida’ na minha vida foi alterada e produziu um ‘vazio escancarado’ que me engolfou, eu me deparei com crenças e emoções que não mais me servem nas condições atuais de vida. E depois de me revirar e reformatar, emergi renovada, mais preparada para encarar quaisquer mudanças que se apresentem.

E você, está preparada/o?

    Monika von Koss

    Written by

    Sou psicoterapeuta de abordagem energética transpessoal, com longa experiencia em atendimento clínico. A primeira Fractologista graduada da América Latina.

    Welcome to a place where words matter. On Medium, smart voices and original ideas take center stage - with no ads in sight. Watch
    Follow all the topics you care about, and we’ll deliver the best stories for you to your homepage and inbox. Explore
    Get unlimited access to the best stories on Medium — and support writers while you’re at it. Just $5/month. Upgrade