Tudo sobre tintas de aquarela

Preparei essa postagem sobre tintas de aquarela para compartilhar o máximo de conhecimento com outros artistas e para auxiliar quem está começando à aquarelar. Conhecer bem o material que está usando é o primeiro passo para criar aquarelas melhores e se tornar mais eficiente e profissional com o seu trabalho.

Como a memória as vezes falha, usei alguns link e livros de apoio para criação deste texto. A lista de referências consultadas está no fim desta postagem e recomendo a leitura para quem quiser saber mais sobre o assunto.


Fabricação

A tinta de aquarela é basicamente formada por goma arábica (que funciona como aglutinante, fixando a cor sobre o papel), pigmentos, glicerina, agente umectante (mel ou xarope de milho) e outros aditivos. A composição se modifica de acordo com o fabricante.

As aquarelas podem ser vendidas em diversas apresentações diferentes, sendo que as mais usadas por artistas são as aquarelas em bisnaga ou em pastilhas. Isso não interfere na qualidade da tinta, apenas na forma como ela é usada. Os estojos de aquarela em pastilha são convenientes para transporte e as em bisnagas são melhores para pinturas grandes.

A goma arábica é a seiva de uma árvore

Categorias

O que determina se uma aquarela é profissional ou não, são os ingredientes usados em sua fabricação e, principalmente, a escolha dos pigmentos. Pigmentos de qualidade com boa durabilidade ao longo dos anos são caros. Aquarelas escolares, por exemplo, são feitas muitas vezes de pigmentos sintéticos bem baratos ou corantes, enquanto as profissionais são feitas de pigmentos de alta qualidade, tanto naturais como sintéticos.

As aquarelas de estudante, são na verdade semi-profissionais, pois costumam ser feitas com ingredientes similares às profissionais apenas com algumas substituições como por exemplo, pigmentos mais baratos ou com menos aditivos.

OBS: Esses são apenas alguns exemplos de algumas marcas, a maioria você encontra aqui no Brasil. Não colocarei aqui todas as marcas que existem pois a postagem ficaria muito extensa.

Aquarelas Escolares

Aquarelas de Estudante

Aquarelas Profissionais

Artesanais

Uma nova categoria de aquarelas que vem vindo com força do exterior e chegou aqui no Brasil com a Pestilento.

Se você for iniciante, é muito melhor começar com as aquarelas da linha estudante. A aquarela escolar pode ser muito decepcionante se você quiser experimentar as técnicas e observar as propriedades de cada cor. Se o preço for o problema, não esquenta, escolha 3 tubos de aquarela de estudante, com as cores primárias e você já está pronto!

Pigmentos

Os pigmentos utilizados na fabricação das tintas, podem ser basicamente separados em três categorias:

Inorgânicos ou Minerais: Como o próprio nome denuncia, são de origem mineral. São os pigmentos mais antigos, que datam do século XIX ou anterior. As suas aquarelas com nomes como Cobalt, Cadmium, Ochre, Earth, Sienna, and Umber são algumas das tintas produzidas com esses pigmentos.

Orgânicos Naturais: Menos usados pela sua permanência e opacidade, são derivados de plantas e animais. Alguns dos pigmentos de origem animal foram banidos pela ameaça de extinção de certos animais, enquanto outros permanecem até hoje. O maior exemplo de pigmento de origem animal ainda usado é o PBk9 que é obtido pela queima de ossos de animais. Se você não quer aquarelas com pigmentos ou outros ingredientes de origem animal, clique aqui para saber mais.

Orgânicos Sintéticos: São os pigmentos mais modernos, mais brilhantes e permanentes feitos através de manipulação de elementos químicos. As suas aquarelas com nomes super complicados como Quinacridone são algumas das tintas produzidas com esses pigmentos.


CIC (Colour Index Common)

Nada mais é que o nome da cor, definido pelo uso do pigmento ou apenas um nome fantasia. Saiba que os nomes das cores não são consistentes entre as marcas. Duas marcas diferentes podem usar o mesmo nome para uma cor mas os pigmentos podem ser totalmente diferentes, o que produz cores diferentes quando aplicadas sobre o papel. Se precisar de uma cor similar de uma marca mais barata, procure na embalagem pelo pigmento utilizado, assim a cor será mais próxima do que você procura.

O CIC desta cor é Chinese White

Quando a palavra “Hue” estiver atrás do nome da cor isso quer dizer que ela foi criada com pigmentos sintéticos mais baratos que o original. Essa substituição de pigmentos é feita para tornar essa tinta mais acessível ao bolso. Essa denominação “Hue” é geralmente encontrada em tintas de qualidade estudante. Isso muda alguma coisa na qualidade da tinta? Infelizmente sim. Muitos pigmentos mais baratos tem a tendência de terem menor transparência e durabilidade. Na dúvida, cheque a transparência e durabilidade da cor no guia fornecido pela marca.

Exemplo:
A cor Cadmium Yellow é criada com um único pigmento: PY37
 A cor Cadmium Yellow Hue é criada com a mistura de três pigmentos: PY53, PY138, PY3

Séries (Series)

Tintas de qualidade profissional são classificadas em séries sendo a série 1 a mais barata e 5 a mais cara. O que determina esse valor, novamente, são os pigmentos utilizados.

Essa cor é da série 2, então seus pigmentos são mais caros que os da série 1

CIGN (Colour Index Generic Name)

O código que define quais pigmentos foram utilizados na fabricação da tinta. Mas o que quer dizer esse código? A letra “P” significa simplesmente pigmento, as letras à seguir indicam o tom (azul, amarelo,etc) os números à seguir indicam qual a cor dentro de cada tom.

Códigos de Tons:
PY = Yellow (Amarelo)
 PO = Orange (Laranja)
 PR = Red (Vermelho)
 PV = Violet (Violeta)
 PB = Blue (Azul)
 PG = Green (Verde)
 PBr = Brown (Marrom)
 PBk = Black (Preto)
 PW = White (Branco)

Existe um site em inglês com todos os códigos, mas não é necessário conhecer cada um deles. O importante é que através desses códigos você sabe exatamente qual o tom de cor que está comprando, e evita assim, de comprar uma cor que na embalagem parece um tom de azul mas na verdade é violeta. Também facilita que você evite comprar tintas de marcas diferentes que tem nomes diferentes mas que no fundo são a mesma cor, feitas com o mesmo pigmento.

O CIGN desta cor é PV19, ou seja, o pigmento é do tom violeta

Sempre cheque de que pigmentos a tinta que você está comprando é constituída. Tintas feitas com mais de um pigmento são consideradas menos puras e são menos usadas para misturas de cores, pois tendem à produzir uma mistura “suja”.


CICN (Colour Index Constitution Number)

Código numérico que classifica as cores por sua composição química. Esse código pode também ser usado para localizar os pigmentos, mas não é muito útil, pois não sinaliza logo de cara o tom da cor, além de não ser nada fácil de decorar. As marcas de tinta que uso não colocam esse código na embalagem, mas ele costuma aparecer assim: #00305


Propriedades das tintas de aquarela

As propriedades das tintas de aquarela correspondem às qualidades do pigmento utilizado em sua fabricação. Por isso, cada cor apresenta diferentes propriedades que influenciam em seu uso e na criação de misturas de cores. Vou explicar cada uma dessas propriedades colocando ao lado a nomeação em inglês, já que muitas aquarelas apresentam essas informações na embalagem ou no site do fabricante somente nessa língua.


Transparência (Transparency)

A transparência é a qualidade mais buscada nas tintas de aquarela. Quanto maior a transparência de uma cor, maior é o seu brilho. A luz passa através do pigmento e reflete a superfície branca do papel. Essa propriedade permite que diferentes cores possam ser sobrepostas, resultando em uma nova cor, sem perderem o brilho.

A mistura de cores transparentes é mais limpa que a mistura de cores opacas e resulta em cores brilhantes e fortes, perfeitas para serem aplicadas umas sobre as outras.

A mistura de cores transparentes funciona melhor entre duas transparentes. A cor opaca costuma “sangrar” pois tem maior pigmentação

Opacidade (Opacity)

As cores opacas não possibilitam que a luz atravesse o pigmento e reflita o fundo branco do papel. Evite misturar cores opacas com cores brilhantes para não perder a transparência. Cores opacas produzem efeitos interessantes quando aplicadas juntamente com cores brilhantes, pois as destacam ainda mais.

A mistura de cores opacas é conhecida como uma mistura suja. Ela tem uma aparência mais pesada e não são boas para aplicar em camadas.


Capacidade de Adesão (Staining e Nonstaining)

Essa é a propriedade do pigmento de se ligar ou não ao papel. Cores com boa adesão não saem facilmente do papel se você tentar retirar com água. Cores com pouco tingimento são as cores que saem mais facilmente, e você pode retirar a cor esfregando com um pincel ou pedaço de pano.

Neste teste de adesão, podemos ver que a Lemon Yellow (segunda cor da esquerda para a direita) tem maior adesão

Cores com pouca adesão são utilizadas na técnica conhecida como “lifting” em que a cor é retirada em determinadas partes para produzir efeitos de luz ou receber aplicação de outra cor, são mais fáceis de corrigir e retirar do papel em casos de erros na pintura.


Permanência (Permanence ou Light Fasteness)

Capacidade do pigmento de sobreviver à ação do tempo após a sua aplicação sobre o papel. Quanto maior o grau de permanência, menor serão as alterações sofridas. Cores com pouco grau de permanência podem modificar as suas propriedades com o passar dos anos, o que faz com que a cor possa mudar sutil ou drasticamente, ou até mesmo desaparecer. Não compre ou utilize tintas com pouca permanência.

Na marca Talens a permanência é demonstrada pelo símbolo de + no topo da embalagem (+++ demonstra uma permanência muito alta)

Granulação (Granulation)

A granulação é um efeito natural de textura que aparece quando a cor é aplicada sobre o papel. Ela ocorre por causa dos pigmentos que ao entrarem em contato com a água se dispersam e formam pequenos grânulos. Cores com granulação são ótimas para criar texturas em suas pinturas, como a aparência áspera de rochas e troncos de árvore.

Pigmentos com granulação natural e com granulação através do uso de aditivos

Referências e leituras recomendadas:

Aqui no Blog:

Links Externos:

Livros:

  • Building Brilliant Watercolors de Judy D. Treman
  • Painting Watercolors That Dance with Light de Elizabeth Kincaid
  • Capturing the Magic of Light in Watercolor de Susan Bourdet
  • Painting Vibrant Flowers in Watercolor: Revised and Expanded de Soon Y. Warren

Originally published at www.krisefe.com on April 27, 2016.