Em processo

Conselho da Juventude da Cidade cria a si mesmo para criar uma outra cidade

Primeiro momento: por que estamos aqui?
Primeira dinâmica: estamos, sim, aqui.

Alô, turma! Toc, toc, toc! Tem alguém aí?

Que bom que tem! Cheguem mais, peçam um café, puxem a cadeira. O papo hoje é sobre o Conselho da Juventude da Cidade e como as coisas estão rolando.

Nosso último encontro foi dia 17 de outubro, e o próximo dia 14 de novembro, sábado da semana que vem. Até o final do ano o calendário está definido, e as metas estão definidas.

No último encontro, que aconteceu no Rio Criativo, os conselheiros e as conselheiras presentes foram divididos em grupos de trabalho, definidos e divididos por conta própria. Todo mundo também ficou conhecendo as “cláusulas pétreas” do regimento: autonomia, horizontalidade, transversalidade e respeito e incentivo à diversidade.

No primeiro momento, uma dinâmica de grupo pediu que a turma se soltasse: era hora de conectar-se ao propósito! Em seguida, os princípios foram apresentados e detalhados pelo LAB.Rio, e, a partir deles — mais uma vez com a ajuda das maravilhosas meninas do Percurso — os conselheiros e conselheiras foram discutindo sonhos coletivos para o trabalho. Os mais citados foram:

  1. Gerar transformações práticas;
  2. Ser abraçado e compreendido pela sociedade civil;
  3. Manter a mobilização depois do período de um ano;
  4. Promover a democracia: lidar com ideias conflitantes com respeito;
  5. Melhorar o relacionamento entre prefeitura e cidadãos;
  6. Envolver representantes políticos;
  7. Cumprir metas objetivas, com planejamento e sustentabilidade;
  8. Ser espaço de inclusão social, em especial da juventude;
  9. Atuar de forma aberta, transparente, colaborativa e compartilhada;
  10. Promover a participação social.

A partir disso, foram elencados os “comos” dos objetivos, também com base nos princípios apresentados pelo LAB.Rio.

  1. Criar e potencializar novas redes;
  2. Cobrar e fiscalizar ações da prefeitura;
  3. Criar uma página no Facebook para dar visibilidade às ações do Conselho;
  4. Conhecer o que já existe e criar novos projetos, ampliando aquilo que for bom;
  5. Visitar grupos vulneráveis;
  6. Promover assembleias e eventos públicos;
  7. Atuar próximo de cada uma das secretarias municipais;
  8. Elaborar estudos e pesquisas;
  9. Disseminar conhecimentos sobre cidadania: direitos e deveres;
  10. Criar um banco de ideias para a cidade e para novas ações do Conselho.
Grupos de trabalho em formação!

Ao final, foram formados os GTs. Os temas foram definidos na hora, e a missão de cada GT é diagnosticar a situação de cada uma dessas áreas até que seja aprovado o Regimento Interno. Os grupos de trabalho são sobre Cultura, Educação, Diversidade e Liberdade Religiosa, Empreendedorismo, Resiliência e Sustentabilidade. Foram criados também outros dois GTs, com a função de apoiar as atividades do LAB.Rio quando à formulação do Regimento Interno e a comunicação. Ao final, numa dinâmica sensacional comandada pelo nosso articulador Ricardo Fernandes, a turma provou que não tá só com a cabeça em dia, mas também o corpo! Todo mundo tem a junta mole! :)

Agora, nos próximos encontros, duas atividades iniciais se destacam: uma atividade de formação para a discussão de temas da esfera da administração pública, e a 2ª reunião plenária, que tem como objetivo discutir e aprovar o regimento. Os GTs também tem metas: ainda em novembro, eles se reunirão com representas de áreas técnicas da prefeitura e deverão coletar informações sobre os principais programas e projetos nas suas áreas, ouvindo também representantes da sociedade civil, pessoas das universidades e os críticos notórios de cada política pública.

O parecer final será aprovado em plenária em dezembro, no último encontro de 2015! Para o alto e avante! ;)

One clap, two clap, three clap, forty?

By clapping more or less, you can signal to us which stories really stand out.