O dia em que o branded content alcançou a Sétima Arte

Como um curta produzido para a LATAM Airlines chegou a Hollywood

Quando um filme produzido para uma marca entra para a seleção oficial de um festival internacional de cinema, é sinal de que o branded content conquistou seu lugar ao sol na competitiva indústria do entretenimento. Foi o que aconteceu com o nosso curta-metragem “Reencontro”, selecionado para o LA Shorts, um dos únicos festivais do gênero reconhecidos pela Academy Awards, cujos vencedores são elegíveis ao Oscar. Sim, uma marca batendo na porta do Oscar.

Como chegamos tão longe? Pensando em cinema — não em propaganda — desde o início. O briefing que recebemos da LATAM foi: “queremos ideias de curta-metragens que expressem o nosso momento”. Na época, o momento eram os Jogos Olímpicos, patrocinados pela marca. Foi então que fizemos o nosso trabalho, seguindo um workflow semelhante ao de uma produção de cinema. O processo criativo está detalhado neste outro artigo.

Não existe fórmula pronta para o sucesso, mas eu me arrisco a listar alguns pontos que certamente vão além do alinhamento dos astros, para justificar nosso feito:

  1. Maturidade da marca;
  2. Relação horizontal de parceria, não de cliente-fornecedor;
  3. Liberdade autoral;
  4. Tempo para fazer o projeto direito, sem atropelamento de cronograma;
  5. Equipe de filmagem com as pessoas mais talentosas que conhecemos;
  6. Entendimento da marca em transmitir suas mensagens e valores através da história, sem querer roubar a cena com exposição forçada de produto.
  7. Encadeamento de emoções e conflitos que fogem do mood “família margarina” da publicidade.
  8. Direção de atores trabalhando várias camadas de profundidade nos personagens, explorando os subtextos do roteiro;
  9. Produtores de áudio (mdois) com sensibilidade para interpretar a história, dar profundidade às cenas e conduzir a emoção do espectador.
  10. Verossimilhança nos mínimos detalhes (vide a cena da raquetinha de pernilongo);
  11. Respeito da marca ao tempo do filme. Drama é feito de silêncios.

Quando o Jorge Brivilati e eu fundamos a La Casa de la Madre, nós partimos da certeza de que HISTÓRIAS MUDAM O MUNDO e que as marcas podem ser contadoras de grandes histórias. Ao optarmos por inscrever este filme apenas em festivais de cinema e, agora, colhendo o resultado, nós não apenas mostramos ao mercado publicitário brasileiro que o storytelling pode ser uma ótima estratégia para falar com o coração das pessoas, como provamos para nós mesmos que estamos no caminho certo. E, no momento, estamos a caminho de Hollywood. Quem nos acompanha?

André Castilho é CEO e roteirista da La Casa de la Madre


Assista ao filme na íntegra:

Assista ao making of:

    La Casa de la Madre

    Written by

    Storytelling film production company: www.lacasadelamadre.com.br

    Welcome to a place where words matter. On Medium, smart voices and original ideas take center stage - with no ads in sight. Watch
    Follow all the topics you care about, and we’ll deliver the best stories for you to your homepage and inbox. Explore
    Get unlimited access to the best stories on Medium — and support writers while you’re at it. Just $5/month. Upgrade