Bora conversar sobre o amor pela leitura no mundo, moçxs?

Eu já fiz um post comentando os motivos que cada leitor tem para ler, e convidei a participarem dessa discussão, porém eu nunca fiz um post ilustrando a ideia contrária: porque tantos brasileiros não leem? Porque não gostamos de ler?

A minha primeira reação foi procurar “qual país lê mais” o que me conduziu a diferentes estudos, em relação a quantidade de livros que alguém lê e em relação ao tempo dedicado a leitura e eu vou mostrar ambos aqui.

QUANTIDADE DE LEITURAS

Segundo um estudo publicado pelo instituto Pró-Livro em 2011, o país que lê mais é a Espanha, com cerca de 12 livros por ano e o Brasil,nesta lista, com cerca de 4 a 5 leituras por ano. Embora estejamos em uma boa posição no ranking a diferença é drástica, temos menos da metade de leituras que um espanhol teria, e convenhamos, embora a diferença seja grande ler dez livros por ano é pouco não?

O preço dos livros na Espanha é diferente dos livros no Brasil, até porque a Espanha sempre foi um país privilegiado em relação ao nosso, o IDH é melhor, o nível de analfabetismo é melhor, a estrutura da Espanha permite a maior quantidade de leitores.

O preço dos livros no Brasil, não é dos mais caros, se formos comparar com outros países e encararmos outras questões sociais, mas para que número chegasse a um preço “bom” precisaríamos de mais leitores, e para termos mais leitores precisaríamos de livros com preços mais baixos, e ficamos neste eterno ciclo.

TEMPO PARA LEITURAS

Uma pesquisa feita pela Market Research World revela que o país que passa mais tempo lendo é a Índia, com cerca de 10 horas por semana, o que é o dobro da média Brasileira que ficou em 27 lugar.

O interessante é que a Índia não possui índices tão bons no IDH, na verdade, ela está numa posição bem atrás da brasileira e o mesmo se reflete em casos como o analfabetismo, na época em que o estudo foi publicado, a Índia era o país com mais analfabetos no mundo.

Segundo o site Times of India, uma das razões para o número de leitores ter aumentado é a tecnologia. Sim, a tecnologia, a vilã que impede que as pessoas leiam, fazendo-os ficarem vidrados na internet. Graças a internet os leitores indianos puderam estreitar os laços com os autores e tiveram acesso ao booktube, aonde tem indicações de leituras. Os e-readers e e-books facilitaram a vida de muita gente também pela comodidade.

Fora o fato de que um dos idiomas oficiais da Índia é o Inglês, que é uma língua mega difundida, e a Inglaterra é o país que mais pública livros no mundo. Logo, o processo de tradução é desnecessário, fazendo com que o preço dos livros abaixe.

O mesmo caso acontece com a Argentina, nossos vizinhos tem uma média de leitura bem mais alta que a nossa, pois falam espanhol! Além é claro de terem mais feiras literárias, mais livrarias e organização em relação a leitura.

Conclusão

De fato o Brasil não é o país dos leitores, em relação a outros países o nível de analfabetismo não é tão aberrante. Mas estamos considerando o analfabetismo funcional? Aquele em que a pessoa sabe ler, mas não interpretar? A leitura ajuda muito a derrotar esse analfabetismo, e o Brasil está se mostrando um país com leituras crescentes. O instituto pró livro declarou que a média de leitura do Brasileiro em 2000 era, mais ou menos, 2 livros agora passa para cerca de 4.

Estamos em 27 em relação ao tempo de leitura, podemos não estar lá no topo tanto quanto na quantidade, tanto quanto no tempo. E nós podemos adiantar esse processo de leitura, como? Por exemplo doando livros para bibliotecas, ou obrigando seu amiguinho a ler(lembrando que ler é mais que a obrigação dele), incentivar que a literatura vire modinha e parar de tentar ser hipster em relação a seus livros( dói? Dói muito você vai ter que dividir seu livro com as pessoas que te zoavam por ler e isso machuca demais, porém é necessário né? Né gente? Eu já não sei mais…) enfim essas são as pequenas maneiras de fazer com que o Brasil tenha mais leitores.

One clap, two clap, three clap, forty?

By clapping more or less, you can signal to us which stories really stand out.