Porque a maioria das pessoas não consegue sair pra se divertir sozinhas?

Desde que me conheço por gente gosto de ficar sozinha, não digo ficar isolada de tudo e de todos, mas sim de apreciar a minha própria companhia me divertindo com coisas que normalmente a maioria das pessoas se sentem desconfortáveis quando não tem alguém do lado, como por exemplo ir ao cinema, shows, teatro ou viajar. Pode ser um traço da minha personalidade, sempre fui mais na minha e se tem uma coisa que eu aprecio é a minha liberdade, o meu direito de ir e vir, interagir com o mundo, independente se tiver alguém comigo ou não. Por isso sempre me espanto quando alguém me diz que não foi a determinado lugar porque não tinha ninguém pra ir junto.

Ao longo da minha vida até agora já me deparei com diversas pessoas que se sentiram desmotivados até para ir á academia ou a um simples museu porque não tinham um amigo do lado pra acompanhá-las. A verdade é que nem sempre você irá encontrar alguém que te acompanhe, muitas vezes você vai querer muito ver aquele filme bacana no cinema e simplesmente não irá encontrar ninguém pra ir junto, seja por que o seu amigo não quer ver o filme, seja porque ele já tem outro compromisso, ou no final das contas você até conseguiu uma companhia mas era uma mala sem alça e você só passou raiva. Enfim, são tantas possibilidades que no final você teve um gasto de energia desnecessário e, ou não foi porque ficou esperando pelos outros ou foi e não se divertiu. Mas qual é a graça de sair pra se divertir quando não existe diversão?

Daí vem a questão: não era melhor ter ido sozinho do que passar raiva? Você precisava do olhos de outra pessoa pra ir ver o filme? A resposta está em observar como está a sua relação com você mesmo.

Nem sempre foi um mar de rosas conviver comigo mesma, eu aprendi (e continuo aprendendo) que se eu não estiver bem, que se eu não suportar nem olhar pra minha cara no espelho, é porque tem alguma coisa errada acontecendo que eu preciso resolver. Já passei por fases de insegurança com o corpo, de ficar preocupada excessivamente com a opinião dos outros, entre outras coisas envolvendo o ego e a auto estima, mas mesmo tendo resolvido a maioria das questões eu ainda me policio para não entrar na onda de pensamentos negativos e crenças limitantes.

Nessas horas eu sempre me pergunto: se eu não suportar a minha própria companhia, como vou fazer as coisas que gosto?

Uma das minhas crenças limitantes era a insegurança de viajar sozinha, existe toda uma mídia que te força a ter medo até de sair na rua, quanto mais uma mulher viajar sozinha! Fora isso ainda tive que lidar com a piedade alheia que dizia “mas você vai viajar sozinha”? “Ai tadinha, não tem ninguém pra ir com você”? e olha que nem era uma viagem internacional, era pelo Brasil mesmo, já que o dólar ferrou com os meus planos de ir pra Disney (sim eu ia pra Disney sozinha!). Mas eu percebi que a minha vontade de viajar era maior do que tudo isso e que se eu ficasse presa na opinião dos outros e me desmotivasse só por não ter alguém pra ir comigo, nunca saberia quão incrível foi viajar e conhecer aqueles lugares e outras pessoas, além de claro, acumular uma ótima memória de vida.

Existe um grande pacote de questões desmotivadoras que surgem quando alguém não tem companhia para sair: sentir estranheza por estar só, parece que bate uma auto piedade, a impressão de que outras pessoas estão te olhando com cara de dó, que é também a grande preocupação com a opinião alheia e por fim se sentir como um cachorrinho abandonado e desistir de sair. 
Tudo isso pode ser substituído por: MEDO DA SOLIDÃO, então o melhor é desmistificar essa palavra, porque uma das certezas que temos nesta vida é de que somos pessoas únicas e que mesmo tendo diversas pessoas ao nosso redor, teremos que acordar, dormir e viver o resto dos nossos dias na nossa própria companhia. O que define o seu estado de solidão é o seu estado mental, você pode escolher passar o tempo inteiro se lamentando ou você pode aprender a conviver bem consigo mesmo, elevando seus pensamentos e sentimentos e se curtir.

Algumas pessoas dirão que é egoísmo pensar assim: mas a pessoa mais importante pra você tem que ser você mesmo, aquele lance de se amar independente de qualquer coisa é verdade, sempre buscar o nosso bem estar, porque só quando estamos confortáveis em sermos nós mesmos, tanto físico como mental, é que conseguiremos nos doar para o mundo. Afinal ninguém irá tomar banho por você, ninguém irá tomar água ou comer por você. E voltando na questão inicial: ninguém irá se divertir por você.

O ponto central deste texto não é levantar a bandeira do forever alone, muito pelo contrario, é mostrar que dá sim pra sair e se divertir sozinho, não deixe mais as oportunidades passarem quando não encontrar companhia. E que mesmo saindo sozinho, você pode se abrir para conhecer gente nova no caminho, mas se não aparecer ninguém você não irá perder nada, porque você será suficiente.

Pode ser um pouco difícil no começo sair da sua zona de conforto, ter que lidar com o desânimo inicial, mas se você perceber que tem um mega evento rolando e se empolgou pra ir, mas ninguém quis te acompanhar, reúna um pouco de coragem e se mexa, afinal a vida é tão curta pra deixar de ter um pouco de diversão, pense em quantas coisas você já deixou de fazer, quantas oportunidades deixou passar.

Meu conselho é: chame seu amigo, uma, duas vezes, na terceira vez não se perca nem se limite por ele. Se não houver nenhum problema de mobilidade que você possa ir e voltar em segurança sozinho, vá se divertir na melhor companhia do mundo que é você mesmo e quem quiser que te acompanhe!

Like what you read? Give Laine a round of applause.

From a quick cheer to a standing ovation, clap to show how much you enjoyed this story.