Resoluções de ano novo: meta #1

Todo início de ano é a mesma coisa. Faço uma extensa lista com metas e, ao final, acabo realizando no máximo a metade delas. A ideia deste texto é ser uma “série” aqui no meu Medium em que, ao longo de 2017, eu fale de algumas metas e mostre também o andamento de cada uma delas.

Essa ideia surgiu a partir do texto do Caio Barreto no blog Uma Linda Janela, que acompanho sempre e sugiro que você faça o mesmo. É só clicar aqui e você poderá ler sobre alguns objetivos do projeto do Barreto com a Linda, sua noiva, e entender sobre o método SMART, fundamental para criação de metas e objetivos. E, o melhor de tudo, aplicável a qualquer tipo de negócio!


Como surgiu a meta #1?

Acho que nunca fiz doações. Entretanto, na virada desse ano senti algo mais forte que eu, algo que não sei explicar. Veio uma sensação de:

“Eu posso ajudar muitas pessoas, mas por que não faço isso? Preciso começar agora!”

Acho que, com um pouquinho do nosso tempo e atenção, eu consiga fazer diferença na vida de alguém.

Após análise, veio a construção da meta: ajudar mensalmente uma instituição, ONG ou projeto, algo que eu realmente acredite no propósito.

No primeiro momento, até pensei em desistir (antes mesmo de começar). Na minha cabeça, pouco mais de R$ 1.000,00 por ano não faria a menor diferença e, assim, não estaria ajudando ninguém.

Felizmente, logo em seguida um turbilhão de pensamentos me tomaram, entre eles:

“O que é melhor? Contribuir com essa quantia (além de tempo e orações) ou continuar sem fazer absolutamente nada?”

Banho de água fria e voltei a refletir sobre o assunto.


O próximo passo: qual instituição?

Esse foi um dos momentos mais legais!

Fiz uma mini pesquisa no Google, mas rapidamente tive um estalo: ajudar projetos em que o foco é melhorar a vida de LGBTs e instituições diretamente envolvidas com esse público.

Segundo o Center for American Progress, cerca de 300 mil adolescentes LGBTs foram expulsos de casa pelos pais em 2015 (EUA). Pesquisando sobre esse número no Brasil, encontrei uma realizada em 2013 pelo Data Popular em que o resultado também é assustador: 37% dos brasileiros não aceitariam um filho gay.

Em todo o mundo, 80 países ainda criminalizam gays e mais de 10 países possuem pena de morte pelo simples fato de você ser gay!!! (sim, você está lendo isso em pleno século XXI)

O Canal Põe na Roda — maior canal LGBT do YouTube Brasil — fez um vídeo falando um pouco sobre essas penalidades. Vale a pena conferir clicando aqui.
www.facebook.com/poenaroda

Recomendo também que você assista o vídeo abaixo, feito pelo Casa 1, onde são mostrados números assustadores sobre os LGBTs no Brasil:


Projeto Casa 1

Após a rápida pesquisa que mencionei anteriormente, lembrei do projeto chamado Casa 1, que conheci através da página Superpride e compartilhei em meu facebook em novembro de 2016.

O Casa 1 é um lar de acolhimento para LGBTs que não tem para onde ir e as doações servirão para ajudar no pagamento do aluguel da casa, contas, roupas de cama, entre muitos outros itens. Tudo isso para que essas pessoas se sintam em casa!

Projeto Casa 1

No final de 2016, o Casa 1 conseguiu — através de uma campanha de crowdfunding no site Benfeitoria — alugar a casa e dar o “start” no projeto, arrecadando mais de 110 mil reais com a contribuição de 1.048 doadores.

Essa semana eles estão de mudança para iniciar o acolhimento :)


A ideia é, em meados de 2017, fazer outro texto falando sobre o andamento dessa “new year’s resolution” e o desenvolvimento do projeto.

E essa é apenas a minha primeira meta para 2017. Quais são as suas para esse ano?