Eu li Depois de Auschwitz, de Eva Schloss

Eu li esse livro. Consigo te afirmar que passei dias tristes, sem entender bem o porque da tristeza repentina. Eu havia acordado bem naquela manhã…

Li palavras que doem muito nesse livro. Li situações que nem o mais asqueroso ser humano merece passar. Chorei quando percebi a delicadeza do amor entre Eva e Mutti.

Auschwitz-Birkenau foi para Eva um mix de sensações. Os momentos apavorantes e desesperadores que ela, ainda uma criança, viveu lá dentro se mesclam com a alegria de descobrir, ao acaso, que Pappi estava vivo, assim como Heinz e Mutti. As pílulas de alegria se escondem debaixo de montanhas de cabelos, sapatos e cinzas. Tudo pertencente a pessoas que não fizeram absolutamente nada para ter esse fim.

Sua falta de credo em Deus, aparente em diversos momentos nas páginas , se contradiz com a sua crença na humanidade, ressaltada nos momentos em que ela passa a ser palestrante. Ela acredita no plantio das sementes do bem nos corações de toda e qualquer pessoa.

Esse livro me deixou muito triste, me fez chorar durante minha viagens de transporte público. E ele é mais um, muito bem escrito, livro que revive a dor imensa de ser punido por nada. Ser punido por ser quem é, acreditar no que acredita e viver da forma que gosta de viver.

Leiam! Enquanto eu procuro alguma coisa nova, e talvez menos pesada, para entreter o cérebro.