O incrível mundo da internet


Com certa frequência, me revisito sobre alguns de meus hábitos diários e com mesma frequência me desaponto comigo mesma – coisa que já não é mais novidade nem pra mim nem pra ninguém. Porém hoje me encontro numa situação que (também com frequência) venho me queixando: a ansiedade pela vida virtual.

9h: Desligar o despertador, tentar dormir de novo e abrir o facebook, Instagram, Twitter, WhatsApp…

10h15: levantar da cama, tomar café, tomar banho, voltar para as redes sociais.

O que é que eu to fazendo com a minha vida? Não consigo mais administrar simples afazeres domésticos sem intercalar com uma espiada no facebook ou no WhatsApp, e pior, como eu fico triste quando as pessoas que eu gosto não falam comigo porque elas, simplesmente, tem seus próprios afazeres. Às vezes fico feliz de não ter um celular com boa bateria porque quando estou na rua, sou obrigada a “ter uma experiência completa”, já que não tenho como ligar o 3G sem que meu celular descarregue em 15 minutos (ou menos). A ansiedade, porém, toma conta do meu ser de tal forma que, quando estou em casa, eu fico frustrada quando não tenho mensagens das pessoas que eu gosto (e o caso se agrava quando estou sozinha em casa).


A internet aproxima umas pessoas e afasta outras.


Eu sou demasiadamente agradecida por existir internet (ou WhatsApp) nesses tempos que eu vivo, porque sem ele eu talvez não conseguisse falar com Mariana Brandão nesse tempo que ela tá na França, ou com Alexandre que tá no Rio, ou com minha mãe e meus amigos enquanto estive fora. Estar on-line todo o tempo me faz querer tudo para agora, e esse imediatismo está acabando com minha saúde e minha paciência.


PRECISO DE UM DETOX URGENTE!

Alguém aí tem alguma dica para se desvencilhar de tanto apego ao celular? As respostas das pessoas que a gente gosta? Alguém aí sabe como faz pra esquecer o celular e pegar um livro? Ou será que é tão difícil ser menos virtual?


  • Preciso de experiências off-line!
  • Preciso voltar ao olho no olho.
One clap, two clap, three clap, forty?

By clapping more or less, you can signal to us which stories really stand out.