Introducing me

“Eu não sou forte, nasci com o distúrbio dos sentimentos frágeis e incrivelmente confusos, sim! eu sou um grande fraco, medroso e insuficiente, ainda não vivi. Tenho medo do escuro, medo do novo, tenho medo de morrer. Mas o medo de morrer não é devido ao “fim”, pois esse é um destino inevitável, tenho medo é de chegar ao fim sem nem ter entrado no começo, observo as histórias de amor, e por mais clichês que elas sejam eu as invejo, e o medo de nunca começar a minha prevalece, eu sou vazio, e me pergunto se um dia vou encontrar alguém para me preencher. Fala-se de amor como um quebra-cabeças de duas peças onde se encaixam e vão ser felizes para sempre, mas comigo é como um tangram chinês, com inúmeras e difíceis formas de se completar. E eu torço para encontrar a “alma gêmea”, neste segundo estou com os dedos cruzados, torcendo de verdade para que uma hora dê certo. “O tempo não para” e eu continuo por aqui esperando alguém que me derrube da fila de espera, mas talvez seja bom isso, pois junto com o amor tem o sofrimento, e sofrimento é para pessoas fortes, e como falei, eu sou fraco.

One clap, two clap, three clap, forty?

By clapping more or less, you can signal to us which stories really stand out.