23.01.17 (publicado pós morte desse amor)

querendo ou não, natália sempre vai ser tema pra muitos textos meus. eu espero que isso não seja um problemas pras pessoas que virão. ela me marcou muito.


natália foi aquela pessoa que me conheceu muito e muito pouco me deixou conhecer dela. natália era um mar profundo e difícil. eu me atreveria a conhecer até a zona mais abissal de seus pensamentos mais loucos, mas ela só me deixava ver sua zona de calmaria. depois que ela me mostrou um pouco de seu lado escuro, eu descobri que realmente aquilo não era coisa boa. o que ela me mostrou foi bom. e acabou. agora só restava a parte destrutiva.


natália foi amada demais. até demais. mais do que ela merecia. é difícil pensar que tudo que ela deixou em mim foi decepção, a imagem dela desistindo de todas as coisas boas que eu entreguei pra ela, tal como outras pessoas já fizeram. eu não queria reconhecimento, não queria que ela me agradecesse por ser boa ou algo assim. eu queria que ela tivesse tido respeito em nome das coisas boas que vivemos juntas.


nem sei mais. acho que esse é o último.

One clap, two clap, three clap, forty?

By clapping more or less, you can signal to us which stories really stand out.