elas

Muitas delas, e no elas eu não penso só na mulher, eu já conhecia. Conhecia o rosto, a aparência e o que transparecia e só. Vou conhecendo o que tem dentro, o que treme o que transborda.

Transbordo, assim, também.

Transbordar. Imagino tudo enchendo, tomando conta, preenchendo todos os espaços por dentro de mim até uma partezinha começar a sair pra fora e aparece e molha quem tá perto.

Somos um líquido que às vezes pode parecer escuro, mas que brilha pra elas e elas pra mim. Elas são algumas que sofrem e choram e rimam. Elas são algumas que riem e amam e dançam. Elas são as que me levam e me preenchem. Por fora. Como abraço.

É delas a força e o carinho que vem, forte, diariamente nos últimos meses.

É com elas que eu divido minha vida e o que ainda não é vida, mas tá ali, latente.

Não existe mais eu sem elas. Elas são quem me inspira, quem me protege, quem me deixa amar.

Elas.

One clap, two clap, three clap, forty?

By clapping more or less, you can signal to us which stories really stand out.