Hangar 18: 2019 começa com um dos hambúrgueres mais fodas da cidade

O maior problema hoje em dia é sair de casa para comer um hambúrguer bom.

Veja bem: estamos passando por uma bolha de hamburguerias. Todo mundo — inclusive eu — sabe fazer um hambúrguer artesanal gostoso.

E com isso em mente, várias e várias hamburguerias estão abrindo (e fechando) nos últimos anos.

Em um mercado tão saturado e com uma concorrência tão acirrada, cheia de nomes de peso com produtos EXCELENTES, a pior coisa que você pode fazer é fazer um hambúrguer “bom”.

Leitor assíduo sabe que sempre reclamo aqui dos hambúrgueres “ok”. Não existe motivos para pagar os mesmos R$ 20,00 em um hambúrguer que não seja incrível como outros que já vimos por aí.

Entende o ponto?

Partindo dessa ideia, quando Vinicius Maciel, que é chef profissional, mas prefere ser chamado de cozinheiro, falou que ia abrir uma lanchonete em parceria com Antônio Raposo, um outro amigo das antigas, eu temi.

Naquela época nunca tinha provado da sua cozinha e tive receio de ser apenas algo “gostoso”, que ficasse no limbo do meio termo entre algo muito bom e algo muito ruim.

A mediocridade.

Aviso já nesta já longa introdução que meus temores caíram completamente por terra. A Hangar 18 chegou para encarar todos os grandes de São Luís de cabeça erguida.

Falo com tranquilidade.

Mas vamos ao que interessa.

Fachada Hangar

A Hangar 18 que, se você não sabe, também é o nome de uma música FODA do Megadeth, abriu recentemente lá no Angelim, Avenida 1.

O ambiente interno está bem bonito, com uma pegada bem industrial.

A localização pode parecer meio controversa, é meio longe dos grandes centros gastronômicos, mas é exatamente esse o objetivo. Ficar no “meio”. Atender a galera que tem que sair de seu bairro para comer um hambúrguer foda.

Continuando…

Mesas de madeira e ferro, uma parede texturizada de tijolos, cores sóbrias no resto da estrutura, teto com detalhes em metal e um grande balcão bem na entrada, depois das portas de vidro.

Também tem o letreirozinho foda logo na entrada

Um ponto legal é que TODA mesa tem uma tomada. E o trocadilho de ponto com tomada nem foi intencional.

O atendimento é feito em um formato que eu adoro. Você vai ao balcão, faz o pedido, pega uma senha e espera ser chamado pelo letreiro digital.

Pronto.

Sem complicação

Sem tentar chamar a atenção de garçons, sem encarar gente mal humorada. Plain and simple.

Logo, não temos nem muito o que falar do atendimento. A galera do Caixa é bem atenciosa, porém. Já fui lá duas vezes e não decepcionaram.

E então vem o hambúrguer.

Pra começar, todos os blends possuem 180g, QUE É O CERTO. Sério, 180g é o tamanho do hambúrguer sério, da carne de verdade.

Se você faz menos de 180g, você está errado. Se você faz mais de 180g, meus parabéns e me convide pra bater esse burgão.

O ponto da carne é DIVINO. Parece brincadeira, mas é difícil acertar um bom ponto da carne aqui em São Luís. Se fosse eleger um top 3 dos melhores pontos de São Luís, o Hangar estaria presente. Talvez encabeçando a lista.

RESPEITE UM PONTO

Apesar de curtir hambúrgueres mais simples, por acreditar que é onde você realmente consegue ressaltar os sabores do blend e a habilidade do chapeiro/churrasqueiro/pit master, os acompanhamentos que vi no Hangar se complementam de uma forma sem igual.

Coisa de quem entende mesmo.

Pedi um Xavante: “Pão tostado na manteiga, blend de 180g, queijo minas padrão, carne de sol desfiada combinada com geleia de pimenta da casa e maionese do chef”. R$ 20,00.

Xavante

Minha esposa foi de Maverick: “Pão tostado na manteiga, blend de 180g, molho cheddar coberto de salame crocante e maionese do chef”. R$ 18,00.

BONUS ROUND: Dividimos um Black Hawk: “Pão de 20cm, salsicha, molho de carne moída, molho de cheddar coberto com paçoca de bacon”. R$ 16,00.

BONUS ROUND 2: Fui uma segunda vez ao Hangar 18 desde que comecei a escrever o texto e pedi um Maverick no modo KAMIKAZE, com Duas carnes por mais R$ 6,00.

Maverick Kamikaze

Além do ponto perfeito, as combinações dos dois hambúrgueres estavam perfeitamente equilibradas.

Carne seca com geleia de pimenta? Tem o salgado/crocante da carne seca, tem a picância e o doce da geleia de pimenta.

É, correndo o risco de cair em um clichê, uma explosão de sabores.

O hambúrguer da minha esposa talvez tenha achado até mais gostoso. O cheddar — que não é aquela porcaria de amido — ao lado da maionese, criam o veículo ideal para ressaltar a crocância do salame. O salgadinho do embutido também aparece em destaque, visto que a maionese tem um delicado toque de doçura.

Uma das melhores da cidade

Muito bom, foda.

O hot dog…

Gostoso. Cheddar gostoso, paçoca de bacon gostosa, pão bom, macio. Mas depois de comer dois hambúrgueres sensacionais, fiquei com uma sensação mais tímida em relação ao cachorro quente.

Talvez eu simplesmente não saiba comer hot dogs que não sejam podrões. Talvez eu estivesse ainda lembrando do hambúrguer…

E o melhor talvez de todos: talvez eu precise comer SÓ o cachorro quente em uma nova visita.

Black Hawk

O Hangar também traz sanduíches na baguete e massas, mas esses eu ainda não tive oportunidades de provar.

Voltaria ao Hangar 18, Recomenda?

Sim, completamente. Quero inclusive voltar logo pra tirar novas fotos. A inauguração tava full loucura.

Não quero esconder que conheço os donos, mas da mesma forma que sempre defendo minhas recomendações aqui no blog, continuo firme em tudo que escrevi hoje.

E, sinceramente, eles não precisam. O produto está TÃO BOM e feito com tanto carinho, que não precisava nem falar bem.

O sucesso e reconhecimento geral é só questão de tempo.

VOCÊS NÃO TEM NOÇÃO

2019 começou aqui no Lanche Barato com uma indicação foda, que entrou bem colocada no meu top 5 e estou ansioso pelo que esse ano ainda nos reserva.

Conhece mais algum lugar novo que mereça uma visita? Deixa um comentário pra mim!

Vejo vocês em breve.

Av 1, número 41. Angelim. goo.gl/maps/wxbQ6vKrRmL2
https://www.instagram.com/hangar18_slz/