A complexidade de um simples pedido de desculpas.

E toda a magia que ele envolve.

Das mais variadas maneiras que existem de se pedir desculpas, a mais difícil deveria ser a mais simples: descer do salto, olhar no olho e dizer “me desculpe, eu errei”. Tenho certeza que algumas pessoas passaram uma vida inteira com isso preso na garganta e morreram sem pedir. Por que é tão difícil fazer isso? Por que o orgulho fala mais alto do que uma relação gigantesca de amor ou amizade? Por que “estar certo” custa uma briga cheia de coisas que na verdade você nem queria dizer?

Algumas experiências que vivi ilustram bem o poder mágico de um pedido de desculpas, que é uma coisa tão rara que se as pessoas vivenciassem mais o pós-pedido de desculpas, talvez elas o praticassem com mais frequência.

São dois casos com resultados bem diferentes. O primeiro deles é aquele tipo de momento que é um marco na sua vida, então tem aquela pressãozinha extra para que nada dê errado e não suje aquela memória pra sempre. Pois é, tive um desses momentos estragado e foi tão pesado que às vezes evito reviver essa memória. Porém, como se trata de um momento marco, é inevitável que as pessoas me perguntem como foi, então, sempre conto tentando separar só a parte boa da história, mas tem sempre aquela virgulazinha que estraga tudo. Esse momento vai ficar amargo pra sempre, justamente porque não houve um pedido de desculpas. Houve um silêncio que mais parecia uma tortura e algumas atitudes que tentaram compensar o que aconteceu. Alguns agrados materiais ou puxadas de assunto pra ir quebrando o gelo, mas nunca um pedido de desculpas. Não precisava ser uma discussão de relacionamento ou um discurso de justificativas, apenas uma palavra. Mas não aconteceu. O tempo se encarregou de fazer as coisas voltarem ao normal. Mas esse mesmo tempo também faz com que a lembrança daquele momento fique cada vez mais pesada, intocada lá no fundo do coração.

O outro caso, na verdade, me pegou de surpresa, por isso me fez perceber a grande diferença que as desculpas fazem. Viajar em grupo nunca é simples, são muitas decisões a tomar, cada passo necessita de um consenso e todo consenso requer que as pessoas tenham que ceder. O que nem sempre é uma opção fácil para algumas pessoas, mas elas são obrigadas a isso quando se propõem a viajar em grupo. Isso gera um estresse constante que vez ou outra acaba explodindo, e normalmente explode em cima de quem nem tinha muita coisa a ver com a situação, formando uma bola de neve de tretas. E foi no meio dessa bola de neve que se deu uma viagem cheia de momentos ótimos, porém, atrapalhados por pequenas confusões que tomaram proporções maiores que deveriam. Todos tiveram sua parcela de participação nas confusões, alguns mais que outros. Mas o que eu quero dizer é que, por ser algo que aconteceu em meio a tantas situações diferentes envolvendo pessoas diferentes, eu não senti uma necessidade clara e específica de um pedido de desculpas. Mas ele aconteceu. No final da viagem, todos se despediram com uma felicidade sincera, deixando pra trás qualquer desentendimento que tenha ocorrido. Afinal de contas, no geral, foi tudo muito bom e é compreensível ter situações estressantes em viagens. Mesmo assim, uma pessoa reuniu todo mundo em uma rodinha e assumiu ter passado do ponto em alguns momentos e sem acusar ninguém ou lavar roupa suja, ela simplesmente pediu desculpas. Foi impressionante como aquilo foi revigorante e como qualquer estresse que tinha acontecido ficou pequeno diante daquela atitude, que influenciou muito no resultado da viagem deixando a memória bem leve e positiva sobre tudo que aconteceu. Outra função mágica do pedido de desculpas é o amadurecimento e o crescimento que se dá na relação dos envolvidos. Você se sente mais próximo e mais a vontade ao lado daquela pessoa, é como se vocês se conhecessem melhor.

Nessas duas situações o pedido de desculpas foi decisivo no resultado. Mas é importante pontuar o que é um pedido de desculpas de verdade. Dava pra fazer um texto inteiro só sobre isso, mas vou me ater a três pontos básicos. Primeiro, não espere nada em troca. Não espere aplausos, parabéns ou reconhecimento. Segundo, entenda se as pessoas que estão recebendo não souberem como reagir, não é fácil pra elas reviver uma mágoa. E terceiro, se você quer mesmo provar que está arrependido, não peça desculpas se justificando com os erros dos outros.

Acredite na mágica de um pedido de desculpas. Até as maiores decepções que você possa ter em um relacionamento conseguem ser suavizadas com desculpas de verdade. Talvez a relação não volte a ser como era antes, talvez ela até acabe. Mas a mágoa consegue ser sanada. E é ela que corrói a gente por dentro. Não posso dizer que é fácil, mas acredito que quando você consegue aceitar que errou e assume isso para as pessoas que machucou, você se torna mais humano. Porque é isso que os humanos fazem. Erram.

Like what you read? Give Lara Costa a round of applause.

From a quick cheer to a standing ovation, clap to show how much you enjoyed this story.