Manual do Vestibulando

A tortura começa assim que nasce, expectativas são colocadas no topo antes mesmo de ser dita a primeira palavra. Vai ser médico, advogado, engenheiro, jornalista, professor…, milhões de suposições em cima de uma vida que mal começou. Entra na escola, aprende a ler, esse vai passar de primeira! Olha como ele sabe somar direitinho com cinco anos! Não faz ideia do porque vai ao mesmo lugar todos os dias ver as mesmas pessoas e descobrir coisas novas, mas vai mesmo assim e se acostuma. Fundamental chega, agora ficou sério, começa as frações, proparoxítonas e relevo. Sétimo ano, tome cuidado porque se não aprender as equações não sabe se virar, oitavo ano, se prepara porque aí tá a base pro resto do ensino médio, como assim está no nono ano e não pensa em vestibular? Já tá ali na porta, você não pode mais ficar de recuperação.

Ensino médio, melhores anos da sua vida, melhores amigos e melhores aulas. Mentira sem tamanho. No primeiro dia já aparece um discurso de te preparamos para a vida, mas sente e estude porque queremos ranking, 14 anos não é muito cedo pra começar a se preocupar com um trem que está vindo e em três anos vai te atropelar? Parece que não. Como assim não tem ideia do curso que quer? Nem de uma área? Você já é grande o suficiente pra saber o que quer! Pressão de zilhões de atm em cima de alguém que nem pela puberdade terminou de passar, que na realidade nem sobre a puberdade aprendeu direito ainda. Enxaquecas e crises de pânico, começa a terapia e os remédios. Vish, azia. E agora? Toma um esomeprazol e segue, não tem tempo de parar, faltam dois anos pra você tomar uma decisão super importante aos 17 anos de idade!

Suspeitas de depressão, toma um rivotril que ajuda. Todo mundo tem, aquele seu amigo tem pais psiquiatras, ele consegue uma receita fácil. Aos 16 anos totalmente dependente de remédios pra funcionar. Não dorme mais, ou dorme durante quinze horas. Não presta mais atenção nas aulas, só quer um pouco de paz. Como contar pros pais que a tão sonhada medicina parece ser insuportável? Como dizer pros pais que o filho advogado na realidade não quer concurso e sim ajudar com casos que não necessariamente envolvam pagamento? Atividade física? Quem tem tempo pra isso? Falta um mês pra segunda etapa do PAS e ai de você se repetir a nota na média que nem ano passado, precisa estudar, precisa focar. Ritalina talvez?

Em novembro o suicídio parece uma opção maior do que passar mais um ano parado revendo conteúdos que você não dá a mínima, e acontece uma tentativa. Se tiver sorte, uma apenas e talvez alguém preste atenção que talvez sua paralisia do sono não seja uma criança mimada que não consegue dormir. Ok, prova realizada. Dormir? Como se faz isso pensando no resultado? Terceirão tá chegando e você precisa estar bem! De forma alguma você se permitirá não parecer completamente deslumbrante no baile de final de ano, você sonha com isso a vida toda.

Pais, professores, amigos e você. Todos uma pilha de nervos, as provas não estão ficando mais fáceis e a sua concorrência, aquela sua amiga de infância que quer o mesmo que você, não sabe o que é viver sem café há seis meses. Teve uma discussão feia em casa porque os pais não querem saber de filho artista? Engole. Ninguém tem tempo pra lidar com inteligência emocional agora, falta tão pouco. Cursinho pré- ENEM, tá quase. Você sempre foi tão inteligente, aprendeu a ler com quatro anos e faz inglês desde os cinco. Essa prova é sua. Mas você não está estudando, como assim? Sua vida depende disso, deixa todos os seus problemas de lado. O que é mais uma carga de estresse pra um adolescente que está a beira de um colapso?

Como assim não passou? Você sempre foi tão bom! Que decepção, achei que fosse conseguir. Mas está tudo bem, 17 anos apenas, seis meses não vão te matar. Você é jovem, tem tempo por mais que tenhamos dito durante sua vida toda que você não tinha nenhum. Cursinho pré vestibular, fábrica fordista que forma robôs viciados em ritalina, qual a diferença do ensino médio além de que agora você é oficialmente desempregado? Sabia que seu primo passou na faculdade dos sonhos com a sua idade sem nunca mais fazer vestibular de novo? Mas respira, agora estuda. Você fez isso consigo mesmo, quem precisa de atendimento psicológico ou atividade física? Quem quer passar não dorme. Seus concorrentes estão estudando enquanto você, pessoa fraca depressiva, dorme.

Um semestre, nervoso e emocional não funcionam mais desde abril. Quer dizer, quando foi que funcionaram se durante o divórcio dos seus pais e durante um dos piores períodos da sua vida você teve que engolir tudo e se considerar sortudo por poder estudar? E se não passar, vai pra particular? Você tá quase passando! Sempre falta tão pouco, 20 ou 30 pontos. Criança genial, adolescente fracasso. Como pode alguém que deu tanto orgulho dar tanto desapontamento? Não ligo pra sua memória fotográfica ou o seu desejo de fazer o bem a não ser que eles coloquem seu nome na listinha de aprovados. Pare de ser incompetente, corte namoro e amigos, quem precisa de base emocional? O negócio é focar, a prova é daqui um mês.

Não passou de novo? Mais seis meses? Só dá prejuízo, não dá nem pra acreditar que aquela criança de antes é essa decepção de hoje. Particular? Ou mais seis meses de nervoso? Você não tem mais relações estáveis com ninguém há alguns meses, o que você tem a perder agora? Está assustado com a relação de suicidas que estão na faculdade? Para de ser medroso, todos fracos. Nem passou e já está reclamando, assim não passa mesmo. Pare de desapontar todos que contam com você, pare de drama.

Você só não passa porque não quer.

One clap, two clap, three clap, forty?

By clapping more or less, you can signal to us which stories really stand out.