Quase nunca sei o porquê das coisas que escrevo, talvez essa necessidade de esmagar o que me esmaga, trazer pra superfície aquilo que mora no profundo das palavras que ainda vão me afogar

quando foi que eu me tornei esse maldito remendo malfeito de alguma coisa que eu nem sei o que é?

eu escrevo pra não esquecer sobre coisas que na maioria das vezes eu desejo esquecer e não consigo

eu não posso me culpar por sentir, é de mim, a única coisa que me pertence e se me privarem disso serei então incompleta e totalmente infeliz

One clap, two clap, three clap, forty?

By clapping more or less, you can signal to us which stories really stand out.