O nascer dos novos dias sombrios

Hoje, história está sendo feita.

Ironicamente, é um dia chuvoso. Céu acinzentado, cheio de nuvens carregadas, pessoas agasalhadas nas ruas, vestindo capuzes para se esconder da água, do frio, da realidade. Enquanto os ignorantes se afundam na sua abençoada ignorância, os bons sábios assistem à ruína de seu país, uma vez mais. Já os sábios malignos cantam vivas por subir ao poder novamente.

Hoje é o último dia de um longo, doloroso, exaustivo e ilegal terceiro turno das nossas eleições presidenciais de 2014. Hoje, a mulher em quem votei, a primeira presidenta do nosso país, cai. O crime dela? Ser mulher, ser valente, e ser honesta, em uma terra de homens misóginos, covardes e criminosos. Hoje a esquerda cai, e de forma injusta, como em tantas outras vezes na história. Hoje, a democracia morre, porque aqueles que foram derrotados nas urnas há dois anos não souberam superar o segundo lugar, e vestiram suas conspirações para chegar ao poder com a esfarrapada fantasia de legalidade.

Não quero defender Dilma governante. Ela falhou em gerir nosso país de forma satisfatória. Cometeu vários vacilos. Fez vista grossa em alguns momentos. Se deixou ser manipulada em outros. Inclusive chegou, ainda que brevemente, a dar as costas ao seu mentor, que indiscutivelmente fez muito pelos pobres. Mas quero defender a Dilma pessoa. Aquela que não sucumbiu à corrupção. Aquela que agiu quando pode, e acabou pagando caro, tornando-se vítima de um golpe tão friamente orquestrado, que nos faz questionar se o egoísmo do ser humano, se a sua sede pelo poder, é reversível.

Dilma cai pelas mãos do que existe de pior no país. Ela cai com o golpe do quarto poder, que jogou uma massa de ignorantes contra ela. Ela cai com o golpe do maldito conservadorismo. Ela cai com o golpe dos falsos moralistas, que engordam suas contas bancárias com o fruto da mesma corrupção que juram combater. Ela cai com a traição dos sedentos por poder. Ela cai por tudo, menos por um crime.

O que acontece agora? Não sei, sinceramente. Mas sei que Hitler subiu ao poder praticamente do mesmo jeito que Temer. Sei que a ditadura militar de 64 foi instaurada com os mesmos gritos de “vamos restaurar a democracia”. Sei que, depois de tudo isso, o povo foi esquecido, oprimido, e sofreu pra caramba. Nós lembramos da história para que ela não se repita. Mas acho que dessa vez já é tarde.

A você, que defendeu o impeachment porque não gosta da Dilma, ou da esquerda: se você não é rico, deixa eu te falar uma coisa. Você é um ignorante. A água vai bater na sua bunda muito em breve, e você vai pagar caro pela sua ignorância. Ser pobre de direita é patético e incoerente, e eu espero que você aprenda isso em breve. Se você é rico, bom, você é um babaca egoísta. Apenas. Sua vida não vai mudar, mas a de milhões de pessoas vai. Pra pior. E a culpa também é sua. Mas acho que isso não é problema pra você, né? Se nosso status quo não tirou seu sono ainda, não é agora que ele vai tirar.

Pra quem sabe que é golpe: estamos juntos. Vamos lutar enquanto for preciso. A democracia morreu, mas dá pra ressuscitar. E a esquerda continua viva. Sempre.