Volto me a energia de encarar a vida pra mim. Pra me encarar.

A energia de uma explosão interna, não uma implosão como poderia ser corrigido. Uma explosão, um rompimento das barreiras que cercam minha zona de conforto.

Saio desse lugar reconfortante que todo mundo tem um pouquinho para esconder-se do mundo. Minhas paredes ainda ruem enquanto saio, tenho a sensação de cansaço de uma pessoa exausta como se tivesse saido da guerra.

Do lado de fora, todos me olham.