Continue a nadar …

Passamos tanto tempo navegando juntas, em busca de uma direção que eu perdi o rumo do barco porque eu só conseguia olhar pra você.

Entre tempestades e perigos no mar, eu me abrigava no teu abraço. Mas chegou um certo ponto que eu me perdi com a bussola, pois as tempestades se tornaram constantes e nem o abrigo do teu abraço me protegia mais.

Os ventos se tornaram fortes, zumbiam e fazia o barco inclinar pra lá e pra cá, quando eu tava de um lado você estava no outro e isso se tornou tão cansativo que eu não sabia mais o que fazer. A nossa âncora sumiu, perdermos a firmeza e a estabilidade. As ondas eram gigantes espalhava água para todo canto, até que então o nosso barco de tanto bater em algumas rochas, ele rachou, e ele estava prestes a afundar, eu tive que tomar uma atitude, pelo meu bem, pelo seu bem, pelo nosso bem.

Eu pulei, e não, não foi uma decisão fácil, não queria, mas tive que fazer. Eu tava com medo, medo de ficar e nos afogarmos nesses barco e enfim morrer. Eu tava com medo, porque eu queria que você ficasse bem e eu também. Mas eu também tive medo de pular, não pense que não, antes de pular, nos segundos que separavam os meus pés do mar, passou um filme na minha cabeça, dessa nossa viagem longa e linda pelos 7 mares, vivemos de tudo, coisas boas, coisas ruins, e coisas que nunca vi em lugar algum.

Mas também passou na minha cabeça, como seria daqui pra frente, e eu tremi pois me vi sem você, e vi que não iria ser fácil, pois depois de conviver com alguém por tanto tempo é difícil viver sem.

Hoje estou nesse mar imenso, e como diz a sábia Dory “Continue a nadar”, to perdida, mas espero te encontrar.


Larissa Freschi