Meu a(mar) …


Até parar de fumar eu parei, mas você se foi e eu tinha que ocupar minha boca com outra coisa, traguei a fumaça mas eu queria mesmo era te tragar, e te trazer de volta. Mas você foi a fumaça que fugiu do meu pulmão, você voou no céu, longe de mim. Ou melhor, fugiu pro mar, foi para os lugares que mais tenho medo de estar, onde os tubarões rodeiam, e você sabe o quanto eu morro de medo desses tubarões.

Como uma sereia você sumiu, e levou o meu coração junto, pro fundo do mar, onde eu não respiro, onde eu não me encontro.

Estou aqui deitada na areia, lutando pra respirar, o mar me trouxe finalmente pra terra firme, porém eu não te enxergo, onde tá você além de aqui dentro do meu peito?

Eu tô cansada, nadei esse mar inteiro, tentando te avistar, tentando chegar na proa do teu barco, mas quanto mais eu nadava em sua direção mais as ondas me levavam na direção oposta.

E agora estou sozinha, mesmo tendo muita gente ao meu redor. Achei que me encontraria quando chegasse em terra firme, porém longe de você só vejo o quanto eu estou perdida.

Luto pra sobreviver nesse mundo caótico onde só vejo pessoas vazias cheias de nada. E eu queria tanto mais tanto me encher de você.

Mas só sobrou eu e o meu cigarro, trago nele todos os meus rancores, medos, aflições, e saudades. E sigo aqui te amando e levando o mar inteiro no peito, nunca vou cansar de te esperar, se for preciso eu acampo na praia, entre sol e chuva. Subo na montanha mais alta para poder te avistar, te envio um sinalizador, espero que você saiba que sou eu.

Que estou aqui, talvez um pouco menos humana, mas estou aqui esperando minha sereia. De tantos oceanos que naveguei, ancorei em teu mar e viajei na tua praia. Você é água doce no sal, que sacia a minha alma. O meu a(mar).


Larissa Freschi