Meu rio é você, e nele eu mergulho!


Tentei fugir de ti assim como tento fugir dá água que cai por toda parte quando tento lavar uma colher, mas como a água tocando a minha pele o teu amor me invadiu inteira, não adiantou eu mudar a posição da colher, de todas as formas a água me tocava, com você não foi diferente.

O amor me tocou de todas as formas possíveis, tirou meu sono, me fez ter somente um pensamento durante o dia inteiro, o desejo de te ver logo.

E quando te vi não quis apenas molhar minhas mãos ou ter respingos no rosto, eu quis mergulhar inteiramente. Sorte minha que a água estava limpa, e eu não tive medo de mergulhar.

Dizem por ai que o amor é como um rio, muitas pessoas tem medo de entrar com medo de se afogar, ou medo do desconhecido, tem algumas que só molham os pés e avistam de longe.

Mas eu não, sempre imaginei o meu rio bem transparente, cheio de peixinhos a nadar e eu mergulhando junto a eles, sorrindo mesmo debaixo d’água, e quando você apareceu pude entender o porque de sempre imaginar meu rio assim.

Pois com você posso ser transparente, sem mascaras ou disfarces, não preciso me mostrar algo diferente pois você me ama assim do jeitinho torto que sou. E os peixinhos são as alegrias repentinas que você me proporciona, são tantas que mesmo quando não posso eu não consigo conter o riso.

E por ser você não tenho medo de mergulhar, pois ao seu lado eu tenho a crença certa que nunca vou me afogar, que as tuas águas só me mostram os mais lindos paraísos no fundo do lago, e mesmo quando chegarmos ao fundo estarei contente pois você me faz respirar como se estivéssemos na superfície.

Nem todos os amores são assim, a maioria nos prende, nos sufocam e deixam nossos braços presos em nós mesmos como correntes. Mas com você é diferente, desde o inicio foi diferente, foi bom, foi claro, foi sincero, foi perfeito.

Eu mergulhei uma, dez, cem vezes e por você mergulho todos os dias da minha vida, mesmo se tiver frio prometo sempre fazer o nosso amor pegar fogo, assim como no desenho do bob esponja a fogueira é possível dentro do alto mar, o nosso amor também é.


Larissa Freschi

One clap, two clap, three clap, forty?

By clapping more or less, you can signal to us which stories really stand out.