Perdi o equilíbrio


Cansei das vozes que calam minha voz. Quanto mais eu tento gritar, mais apertam minha garganta impedindo-me de respirar.

Cada dia é uma luta nova pra levantar da cama e enfrentar o dia.

Levanto por obrigação, porque a vontade é de ficar encolhida no chão.

Estudar então? Não tenho mais psicológico não. Muitas vezes meu corpo está lá na sala de aula, mas minha mente tá viajando pra lugares distintos do coração.

Conciliar a mente e o coração sempre foi muito fácil pra mim. Libriana nata tenho a balança da justiça, sempre fui muito equilibrada. Exceto agora, perdi o equilíbrio, já não sei mais quem fala dentro de mim, coração ou a mente. Na verdade minha mente, mente muito sobre o meu coração, e confusa do jeito que sou só me confundo ainda mais. Sei, não sei. Só sei que nada sei.

Sábado eu precisava estudar pra prova, mas nem abrir os olhos eu tava conseguindo, passei o dia inteiro dentro de um quarto escuro querendo sumir, ou simplesmente não existir. Pedi ajuda pra uma amiga, implorei por ajuda “ME TIRA DESSA DEPRESSÃO” ela sem pensar duas vezes me deu a mão, foi minha salvação.

Me levou pra beber, e me encher de álcool já que não podia me encher de você. Dancei à noite inteira, tava feliz. Mas aí lembrei que era você que dançava comigo, que eu rebolava em você só pra ver seu sorriso safado e fiquei triste de novo. Sentei no chão da balada porque minhas pernas já não me sustentavam. Me puxaram pra dançar, me colocaram pra beber, queriam fazer eu me esquecer de você.

O outro dia a ressaca foi forte, não de bebida, quem me conhece sabe que é difícil eu ter ressaca, mas a ressaca foi de você. Eu acordei na minha cama te procurando do meu lado, e ali só encontrei solidão. Bebi lembranças à noite toda pra de manhã perceber que não tem volta não. Era domingo tentei estudar novamente, e novamente falhei, fechei o caderno e me tranquei. Me tranquei no quarto, na dor, e me permiti. Me permiti chorar, me permiti sentir, me permiti escrever, agora tenho que me permitir esquecer.


Larissa Freschi