Pequenas derrotas da vida

Eu queria um filme bobinho e bem feito, para terminar o dia leve, com aquele sono que embala. Errei feio, errei rude!

Agora por exemplo, são 23:23 e, poucos pessoas entenderiam a frustração que estou sentindo. Queria que meus olhos revirassem 360º, para poderem expressar a exata decepção de ter escolhido o filme errado no netflix. Alías, esse era o nome do filme 360. Não, aqui não é uma crítica ao filme, ele é até legal mas não era o que eu queria, especialmente para fechar meu sábado a noite.

Eu pedi ajuda para as mil listas de sugestões de filmes do netflix do catraca livre, que eu fico salvando durante a semana no meu feed. Eu vasculhei a minha lista de salvos no próprio Netflix mas, nada parecia me convencer.

Bem que minha intuição disse — Assiste “P.s eu te amo” pela milionésima vez que é garantido. E essa foi mais uma das 80 vezes em 100 que eu ignoro essa vozinha interna.

Preferi digitar : filmes românticos

Tava disposta qualquer coisa entre “Casamento Grego2” até algum com o Ryan Gosling que me faz questionar por qual razão Deus não cria certas pessoas em série.

Aí, cai nessa lista :10 filmes românticos escondidos na Netflix que você precisa ver.

Aquela típica chamada marketeiramente montada para ganhar cliques, como moscas em volta da lâmpada.

Escolhi:

“360” (2011)
O que acontece na vida de uma pessoa interfere, sem que ela saiba, nas vidas das outras. Essa é a ideia do filme, que conta as histórias e as traições de vários casais e mistura atores brasileiros com figurões gringos (Anthony Hopkins, Rachel Weisz, Jude Law), dirigidos por Fernando Meirelles.

Filme certo, na hora errada.

Quando o filme acabou, olhei no relógio para fazer as contas se valeria a pena emendar no P.S eu te amo, só para garantir um mamão com açucar antes de dormir. Sabe, fazer o que seu eu gosto de dormir ouvindo conto de fadas? Não posso com nenhum filme que faça subir meu batimento cardíaco antes de dormir, seja terror, suspense ou ação (não é prescrição médica não gente, é mania mesmo)

Eram 23:23, tarde de mais? — Normalmente eu emendaria o próximo sem piscar, só para compensar o erro, a frustração de ter gastado meu precioso tempo de preparo para doces sonhos.

Então a voz da sabedoria dos meus 27 anos resolve dar as caras:

Sabe quando é tarde demais? Quando não vale a pena.

É, nesse caso não vale. Domingo já programei de acordar cedo e andar de bike, não vale, perder mais duas horas de sono só para compensar as 2 horas de entretenimento errado.

Essa é a moral da história, 23:54. O sabádo acabou, porque não vale a pena estender.

P.S : Caso não tenha ficado claro, esse texto não é só sobre filmes.