17:10 — diário meu

Escrever pra mim é remédio para dias como este. É instantâneo, só senti uma agonia ao som de kid abelha sintonizado na rádio que já me vi aqui escrevendo essas palavras, sinceras demais, simples demais.

Sabe, a vida ganhou um sentido novo pra mim nesse ano tão maluco, sentido que eu não tinha percebido ou recebido na minha formação familiar. Mesmo com a dor, mudanças e despedidas, algo em mim ganhou cor.

Hoje me reconheço crua, nua, sem amarras pra viver o novo. Ferida? Talvez. Mas eu preciso de mim, como nunca antes precisei. Estou me olhando no espelho nesse exato momento, repetindo, eu preciso de mim.

To me acostumando com a vida assim, tentando ser feliz sim, é por mim.

A single golf clap? Or a long standing ovation?

By clapping more or less, you can signal to us which stories really stand out.