Confiança

Na Sexta da semana passada, eu estava conversando com um amigo sobre a nova série 13 Reasons Why, e ele me explicava o como essa série mexeu com ele e como ele se sentia em relação a várias coisas que apareciam na série e ele sentiu na pele quase exatamente. Até ali, tudo bem, havia sofrido basicamente as mesmas coisas, por mais que em situações e conjunturas diferentes das dele, mas de maneira geral foi um sentimento de empatia. Até um momento em que ele me me diz “Preciso te contar uma coisa, e você nunca iria imaginar isso de mim”. Eu começo a pirar nos pensamentos. Penso nele ter abusado de alguém, penso nele ter tido relações com uma prostituta, com ele fazendo diversas atrocidades. Poxa, quando alguém chega assim em você, colocando suas expectativas lá em cima, claro que vai pensar coisas a altura. Enfim, no final ele me disse. “Sou bi”. Entrei num semi-choque. Já conheci pessoas bis antes, convivo diariamente com uma, inclusive, mas nunca alguém tinha se assumido pra mim, na minha frente. Primeiro eu pensei “Uau, por que eu?”. Mas logo em seguida eu comecei a me sentir estranhamente bem, como se algo subisse do meu peito e me enchesse todo. Pra alguém se assumir, precisa ter muita confiança, porque se contar pra pessoa errada, a última coisa que sente antes de morrer é o impacto com os cacos de vidro remanescentes das lâmpadas. Ainda mais uma pessoa bi, que sofre opressão dos dois lados. E mais, um bi que tende mais a ficar com pessoas do mesmo sexo. Eu me senti enorme, mais do que já sou. Um gigante perante os homens, e aposto que ele se sentiu o mesmo. Ter tirado aquele peso esmagador de cima do peito dele deve ter dado um alívio tremendo, tanto que nos abraçamos no final da conversa, coisa que nunca havia acontecido. Fomos embora e eu não conseguia parar de pensar nisso, de como eu fui escolhido pra tamanha responsabilidade. Eu não posso dizer que aquele fato marcou apenas aquele dia, porque eu penso nisso até agora, três dias depois. Também não sei se marcou meu mês ou meu ano, porque eu não sei até que momento as palavras dele vão retumbar na minha cabeça. Mas eu sei de uma coisa, uma demonstração sincera que uma pessoa confia na outra para um segredo ou fato que não só pode colocar sua vida em risco, mas determina suas relações interpessoais pelo resto de sua vida, só pode marcar a vida de alguém.