O dia em que perdi a cabeça

Foto por: Laryssa Fraga

Naquele dia eu acordei e não me espreguicei, apenas abri meus olhos.

Vi o teto, o mesmo teto que eu via todos os dias, e isso só anunciava que nada havia mudado.

_ Se ao menos esse teto fosse de outra cor… — pensei.

Joguei os meus pés no chão e meu corpo reagiu com alguns calafrios em resposta ao chão extremamente gelado. Me levantei, cocei a minha cabeça, não porque estava coçando, mas por força do hábito mesmo. 
Cheguei no banheiro e procurei o interruptor e quando eu acendi a luz, eu estava em frente ao espelho.

E o que eu via nele foi uma cena que não esperava ver, o que estava refletido lá não tinha compromisso nenhum com o que é realidade ou fantasia.

Vi meu corpo refletido no espelho, mas faltava a minha cabeça.

_Como a minha cabeça pode ter sumido? Como posso estar pensando e vendo sem a minha cabeça? Caralho, eu tenho certeza de que cocei ela há menos de um minuto.

Fiquei estática olhando pro espelho sem entender muito o que estava acontecendo. 
Depois de alguns segundos, saí do banheiro, apaguei a luz e sentei na mesma poltrona que eu sentava todos os dias, acariciei o mesmo gato que acariciava todos os dias. 
E quando eu me aconcheguei na poltrona, eu sorri.

Enfim, alguma coisa mudou.

Like what you read? Give Fraga a round of applause.

From a quick cheer to a standing ovation, clap to show how much you enjoyed this story.