do tamanho do planeta mundo

l, esta é a última vez que te escrevo. se houvesse um motivo plausível, seria pelo excesso de palavras e não a falta delas.

entendi que não preciso te superar. superar o que afinal? 
senti por ti um grande amor e o término da nossa caminhada juntas,
não quantifica, de forma alguma, o sucesso dele.

não tem desespero não, você me ensinou milhões de coisas.

não colocarei mais músicas na play do spotify com as coordenadas do lugar onde nos abraçamos pela primeira vez,
nem irei torcer para que leia e sinta minhas palavras, para que assim
de alguma forma, me eternize em você como você está em mim.
isso não significa que parei de sentir o que transcrevo, só que
basta.

preciso seguir em frente. já estou adiando há tempo demais.
não posso mais pensar em você antes de fazer algo, ou
continuar guardando meus lábios se já entendi que você não vem.
uma grande porcentagem das minhas escolhas,
era por mim mesmo, mas
a maior porcentagem era uma desculpa para permanecer pura para você.

de qualquer forma, 
não me arrependo da escolha de deixar você se encontrar sozinha, e 
ser tão feliz sem mim como está sendo.

amor não acaba, não. 
te amo tanto que não dá pra ficar triste por estar bem sem mim.
pra falar a verdade, dá uma puta felicidade saber que a dor de ter que partir serviu pelo menos disso.

tô indo embora pra longe, l.
a gente nunca se esbarrou por aí.

ainda tinha tanto pra te dizer, mas
tá doendo viver na incerteza se você sente ou não. 
tá doendo tanta coisa em mim, que
eu só não consigo mais.
preciso me dar a chance que você se permitiu dar a si mesmo.

aceitei meu próprio pedido pra dançar, e
vai ser estranho estar em outros braços que não seja os teus.
ainda não conheci o sabor de outros lábios, ainda 
não cheirei outros cabelos, ainda
não fiz o carinho no dedo, ainda
sou tua. 
mas não posso mais ser, você já é outra.
ainda não deixei alguém entrar.
vai ser como a primeira vez.

“te levo na ponta dos dedos, no canto direito da boca — onde você primeiro beijou — , na batida rápida do coração, em todos os nervos do corpo tremendo de uma só vez. te levo, sempre e urgente. te amo com a força de um furacão que merece teu nome, helena.”

para todas as perguntas ainda sem resposta,
tempo.

pra você e pra mim,
crescimento.

nada foi em vão. nem me despedi e já te amo mais.

sem nenhum rancor ou dor por ter sido teu par, até outra vida.

com o amor de sempre,
laura, tua bear.

(coloquei pontos finais em todas as frases dessa vez. que pena não ter percebido as entrelinhas.)

Like what you read? Give Laura Portela a round of applause.

From a quick cheer to a standing ovation, clap to show how much you enjoyed this story.