obrigada.

às vezes a gente se encontra jogado no fundo do poço como se nada que fizéssemos pudesse mudar nosso passado {e não, a gente não pode},

acreditando fielmente que a esperança não existe,

que o futuro não nos pertence mais e que o presente é um pesadelo.

foi assim que eu me senti quando a gente se destruiu.

porque você sabe, a gente ia se destruir uma hora ou outra.

e infelizmente foi pior do que eu imaginava.

depois do fim, se é que eu posso dizer assim, você me fez conhecer um lado que eu não sabia que existia em mim e se eu pudesse falar com você nesse exato momento, agradeceria.

sou muito grata.

ninguém passa pela nossa vida a toa,

e tu também não passou.

cada um só pode doar o que tem dentro de si,

eu doei amor e tu dor.

se minhas palavras ainda valem algo pra você:

se limpe,
se cure,
se proteja,
se restabeleça,
se erga,
e se ame.

é o que eu peço pra ti.

eu sei que tu tem muita batalha pela frente ainda e, espero que tu vença todas as que cruzarem teu caminho.

não deixe que as pessoas apaguem a luz bonita que tu emite, viu? porque eu sei que dentro do teu tórax, existe uma luz infatigável doidinha pra ultrapassar os muros que tu levantou sobre ela. {apesar de tu ter só me mostrado uma escuridão com todos aqueles monstros que eu sempre tive medo}.

mas ainda sim, eu aprendi que disseminando flor, eu sempre terei um buquê me esperando no final do dia.

e o de hoje, eu dedico a você.

fica bem e obrigada 💐
One clap, two clap, three clap, forty?

By clapping more or less, you can signal to us which stories really stand out.