Histologia

Responsável por revestir, proteger, absorver e secretar, o tecido epitelial é formado de células avasculares sendo nutridas pelo tecido conjuntivo que fica logo abaixo do epitelial (lâmina basal) e também são justapostas, ou seja, bem unidas.

Os tecidos epiteliais são divididos entre os de revestimento e os de secreção. Os tecidos de revestimento são classificados de acordo com o número de camadas e o formato das células. O número de camadas pode ser Uniestratificado (único), Estratificado (várias camadas iguais) e Pseudoestratificado (várias camadas diferentes).

Quanto ao formato das células, podemos citar o epitélio pavimentoso que é achatado e reveste os alvéolos pulmonares e os vasos sanguíneos e linfáticos. Também temos o epitélio cúbico por não ser achatado e revestir os túbulos renais. O epitélio colunar reveste camadas respiratórias e para isso não pode ser achatada já que perderia seus cílios. O epitélio de transição reveste órgãos como a bexiga e é estratificado.

Vale lembrar que os formatos das células apresentam, diferentes números de camadas, por exemplo, o formato cúbico pode ser uniestratificado ou estratificado, assim como os outros formatos também variam seus números de camadas.

Já o tecido epitelial de secreção, se refere às glândulas do corpo e difere da excreção corporal já que as excretas são substâncias que o corpo não precisa, a secreção se refere àquilo que o corpo precisa mas por algum motivo, secreta.

As glândulas exócrinas apresentam ductos excretores que permitem a porção secretada sair para o meio externo (por exemplo as glândulas sudoríparas e sebáceas) ou para dentro de uma cavidade (por exemplo as glândulas salivares).

As glândulas endócrinas secretam hormônios para dentro dos capilares que vão levar esses hormônios para a região do corpo desejada. Exemplos de glândulas endócrinas são a hipófise, a tireoide, as suprarrenais, etc.

Existem também as glândulas mistas, ou seja, as que fazem tanto secreção de hormônios quanto de secreções externas ou cavitárias. O maior exemplo é o pâncreas que libera enzimas para o sistema digestório e hormônios para o sistema endócrino como a insulina e o glucagon. O ovário e os testículos também são glândulas mistas.

As glândulas da tireoide são fundamentais na produção dos hormônios T3, T4 e a calcitonina. Os dois primeiros são responsáveis pelo controle do metabolismo celular por ativarem a produção de energia pelas mitocôndrias. O hipotireoidismo é uma doença causada pela falta desses hormônios e diminui o metabolismo corporal. O Hipertireoidismo é o excesso desses hormônios e o metabolismo se torna acelerado. Essa doença pode causar o bócio, além da falta de iodo na alimentação que também pode causa-la.

A calcitonina tem a função de fixar o cálcio nos ossos e a falta dela pode causar osteoporose. As paratireoides liberam hormônios semelhantes à calcitonina.

Os hormônios oriundos das suprarrenais são mineralocorticoides, glicocorticoides, androgênios e hormônios da medula (adrenalina).

Agora observe a foto abaixo e repare que apenas a epiderme é composta de tecido epitelial, e que logo abaixo, a derme, é constituída de tecido conjuntivo. Essa região da epiderme não é vascularizada portanto a pele se renova a cada 30 dias, mas possui terminações nervosas, sem elas, não sentiríamos nem tato nem dor.

Os tecidos conjuntivos fazem parte do nosso corpo apresentando a função de preenchimento de espaços, de defesa, de nutrição e de sustentação. Apresentam grandes quantidades de materiais intersticiais (glicoproteínas e fibras), ao contrário do tecido epitelial que é justaposto e apresenta poucas quantidades.

Existem seis tipos de tecido conjuntivo, são eles: Adiposo, cartilaginoso, hematopoiético, denso ou fibroso, ósseo e frouxo.

O tecido conjuntivo frouxo é o responsável pelo preenchimento e pela união de espaços e possui poucas fibras. Os fibroblastos possuem a função de produzir fibras. Os adipócitos de armazenarem lipídeos. Os macrófagos de fagocitarem micro-organismos. Os plasmócitos fazem a defesa do corpo na produção dos anticorpos. Os mastócitos liberam a heparina (anticoagulante) e a histamina (vasodilatação).

O tecido conjuntivo adiposo é responsável por reservar energia, amortecer impactos, e isolar calor.

O tecido conjuntivo denso ou fibroso possui função de ligamento entre os tecidos. Os tendões (modelados) por exemplo, ligam os músculos aos ossos e precisam ter grande resistência portanto são ricos em fibras. O tecido não modelado possui fibras não orientadas, portanto não são tão resistentes e são característicos de tecidos do fígado e do baço.

O tecido conjuntivo cartilaginoso tem função de sustentação e flexibilidade. Existem três tipos: Hialina (esqueleto fetal), elástica (orelha e nariz), fibrosa (discos intervertebrais — bastante colágeno). Por ser avascular, esse tecido recebe oxigênio do tecido fibroso que recobre o cartilaginoso.

O tecido conjuntivo ósseo é rígido pela impregnação de cálcio, fósforo e outros minerais. As células jovens são chamadas de osteoblastos e as adultas, osteócitos. Os canais de Havers possuem os vasos sanguíneos que estão no interior dos ossos. Também do interior, é preenchido com a medula óssea vermelha (epífise — produz sangue) e a medula óssea amarela (diáfise — reserva lipídeo).

O tecido conjuntivo sanguíneo (hematopoiético) precisa ser renovado regularmente. O tecido mieloide é formado pela medula vermelha que vai formar o componente do sangue circular. Os tecidos linfoides produzem os linfócitos responsáveis pela produção de anticorpos de defesa. No tecido linfoide também estão presentes os macrófagos que realizam a fagocitose das células sanguíneas velhas e também de micro-organismos patogênicos.

O sangue possui função de transportar substâncias, de defesa, de termorregulação e de equilíbrio osmótico. Ele é constituído de plasma sanguíneo (90% água e 10% outras substâncias) e de elementos figurados (hemácias).

As hemácias possuem uma proteína chamada de hemoglobina que é responsável pelo transporte de gases respiratórios.

Os leucócitos, apresentam núcleo diferentemente das hemácias, mas não apresentam cor. A diapedese acontece quando os leucócitos saem na corrente sanguínea e se dirigem até a inflamação.

As plaquetas são anucleadas e responsáveis pela coagulação sanguínea. Elas liberam a tromboplastina →inibe a heparina (anticoagulante) ativa a → protrombina ativa a → fibrina → formação de coagulo.

O tecido muscular possui a função de movimentação, locomoção e de sustentação no corpo humano. As células musculares são compostas de fibras musculares responsáveis pela contratilidade muscular. As fibras musculares são revestidas de tecido conjuntivo. Existem três tipos de tecido muscular: Liso, estriado esquelético e estriado cardíaco.

O tecido muscular liso, é típico do sistema digestório, geniturinário, do útero, dos vasos sanguíneos, das vias respiratórias, etc. Ele é controlado pelo sistema nervoso autônomo, logo seu movimento é involuntário e acontece de forma lenta e fraca. Possui boa capacidade de regeneração.

O tecido estriado esquelético é controlado pelo sistema nervoso central, ou seja, é voluntário e acontece de forma rápida e forte. Os representantes desse tecido são os músculos dos membros superiores e inferiores, os da face, do pescoço, da parede abdominal e do diafragma. Essas células são polinucleadas e não possuem capacidade de se dividirem.

O tecido muscular estriado cardíaco é involuntário, sendo controlado pelo sistema nervoso autônomo e acontece de forma bem rápida e forte. É o caso do coração e das veias pulmonares que se ligam ao coração. As células podem ter de um à dois núcleos e não possuem capacidade de se multiplicarem.

O mecanismo de contração muscular só funciona com a ajuda das proteínas actina e miosina. As fibras que se contraem se encontram na linha Z e a distância entre elas são chamadas de sarcômeros (faixa H). A faixa A se baseia no tamanho da miosina que une a faixa H com a linha Z. Durante a contração, a actina desliza na miosina fazendo o sarcômero diminuir de tamanho (contrair). Para que isso aconteça, é preciso que tenha energia, por isso, acontece a respiração aeróbica que usa uma molécula de ATP para produzir energia (usa íons Ca+ e Mg2+).

Nos músculos, existem diversas mitocôndrias que realizam essa função. Quanto mais vermelha a ‘’carne’’, maior é a capacidade de fazer a respiração aeróbia e dificilmente esse músculo ira chegar à fadiga. Quanto mais clara a carne, mais rapidamente chegará a fadiga e por isso irá ter que produzir ácido lático no processo de fermentação anaeróbica.

O tecido nervoso será estudado no sistema nervoso, em fisiologia humana.

Like what you read? Give Lais Daminelli a round of applause.

From a quick cheer to a standing ovation, clap to show how much you enjoyed this story.