Como eu aprendi a gostar de programar

Desde que eu tinha 11 anos eu estava envolvida com tecnologia. Sempre fazendo um curso para mexer com essa maravilha que eram os computadores há 14 anos atrás.

Então quando estava chegando aos 18, eu fazia um curso no Senai, de Montagem e Manutenção, mas que tinha um currículo de 800 horas. E nessas 800 horas além de jogar muito UNO com a galera do curso, a gente viu o básico de lógica booleana e o básico de Pascal(Pascalzim!). E naquela programar aqueles blocos em pascal era super legal. Era genial.

Portanto, quando a hora de escolher um curso para prestar vestibular chegou, dentre todos os cursos, eu escolhi Ciência da Computação.

Em CC, pelo menos no meu curso temos uma boa base de programação:

  • Programação I em Pascal(Hoje já é em C)
  • Prog II em C
  • Estrutura de Dados em C
  • Técnicas de Programação Avançada em Java
  • Programação com Arquivos em C
  • Linguagens Formais e Teoria da Computação em C
  • Algoritmos em Grafos, também em C

Então você pode perceber que depois de algumas matérias, e em boa parte, minha dificuldade em construir minha lógica de programação, que C fez da minha vida um inferninho.

Acho que foi quando eu fiz Prog2 que eu comecei a detestar a programar. Era um saco, meus programas não funcionavam direito, teve uma fez em Grafos que eu coloquei um break depois de um return. Eu tomei um esporro lindo do professor na época.

Então acabei me debandando para outras áreas de computação que me interessaram na época: Engenharia de Software, Inteligência Artificial, ou qualquer disciplina que me chamasse o mínimo de atenção.

Até que então, há pouco mais de dois anos eu comecei a programar em C++. E hoje quase todo dia uso Python no estágio.

E hoje programar não parece tão ruim como eram há uns 3~4 anos atrás na faculdade. Óbvio que temos falhas no ensino na faculdade, mas acredito que meus professores fizeram o melhor que podiam. Mas que até hoje eu nunca programei um backtracking ou árvore no mundo real. Mas eu ainda torço para que esse dia chegue. ¯\_(ツ)_/¯

Mas bem minha lógica de programação, só evoluiu quando eu realmente comecei a programar soluções, e associar o que eu precisava fazer com as linhas de código que eu precisava produzir. Mas, uma vez um professor disse em aula uma frase que eu levo até hoje:

Sabendo a lógica de programação, você aprende qualquer linguagem.

Menos programação funcional, no meu caso. xD

Então acabou que eu aprendi a gostar de programar. E consequentemene melhorando minha lógica. E programar se tornou um quebra-cabeça para mim. E assim como House não gostava de nenhum puzzle sem solução, eu também não gosto. Então eu costumo adorar os dias que programo sem ver as horas passarem e ver todo meu trabalho se tornar uma solução usável(rs) seja no estágio ou nos meus projetos pessoais.

Entretanto acho que o ambiente ajuda muito nesse quesito. Na faculdade é teoria demais, e eu fico feliz de ter corrido atrás para aprender mais fora das 4 paredes da minha sala de aula.

Hoje programando com Python, que eu tive um pequeno preconceito no início, por causa do meu xodó que é o C++, mas que agora não vivo sem, fica muito mais fácil ver a aplicação real do que você está fazendo. E basicamente aprendemos por associação. E assim eu vou sendo quase feliz sendo desenvolvedora. =D

E para encerrar um gif:

Obrigado pela leitura! Se gostou clica no ❤ e compartilha com os amiguinhos!