Roteiro de vida

Todos nós nascemos com uma expectativa de desenvolvimento previamente estabelecida pela natureza: nascer, crescer, reproduzir e morrer. Mas a própria natureza entende que cada ser humano é único e tem sua própria história, por isso não necessariamente passará por todas estas etapas, com exceção da primeira e da última.

O problema é que a sociedade criou um roteiro em cima disso, determinando o que é esperado para cada idade, sexo, cor, entre outras características que por si só não dizem nada. Então as quatro fases simples da natureza se transformaram em listas intermináveis de coisas que devemos ou não devemos fazer e somos pressionados direta e indiretamente para isso.

Nascer, entrar na escola, fazer amigos (tem que ser muitos amigos, senão já tem algum problema aí), entrar na adolescência (a tão esperada/temida adolescência com todas as suas primeiras vezes), namorar, formar no ensino médio, entrar na faculdade, formar na faculdade, trabalhar (e tem que ser o emprego dos sonhos — dos outros, não o seu), casar, ter filhos, criar os filhos, envelhecer, aposentar (este item está um pouco incerto no momento) e morrer — UFA! Cansei só de escrever, e isso porque só citei os principais que vieram na minha cabeça. E dependendo do grupo social que você está inserido podem existir alguns itens a mais ou a menos.

Não tenho um profundo conhecimento de história (um dia eu chego lá), mas sei que nos primórdios do desenvolvimento das sociedades foi necessário dividir as tarefas de acordo com as características de cada um naquele momento para ter uma organização funcional e isso possivelmente pode ter sido a origem destes rótulos e roteiros.

Mas independente da origem das pressões que a sociedade nos impõe precisamos entender que cada ser humano é único e tem o seu tempo. É até legal você estabelecer um roteiro de vida de acordo com os seus sonhos e metas, mas desde que sejam realmente seus sonhos e suas metas.

Claro que a vida não é feita somente de coisas, pessoas e momentos que a gente gosta, sempre existirão imprevistos, frustrações, desilusões e passar por isso faz parte do desenvolvimento saudável de todos nós. Mas a partir do momento que alguém faz algo só porque os outros fazem ou já fizeram significa que esta pessoa está passando por cima de quem ela realmente é, e isso não é nada legal.

Por isso respeite quem você é, respeite o seu tempo, respeito o outro e respeite o tempo do outro.