QUESTÃO HÍDRICA NO CONTEXTO BRASILEIRO

O fantasma da escassez

Apesar de contar com 12% das reservas mundiais de água doce, a crise abastecimento hídrico chegou às grandes cidades brasileiras. Além dos aspectos climáticos, o rápido crescimento populacional contribuiu para agravar o problema.

Nos últimos 50 anos, a população urbana cresceu rapidamente: passou de 13 para 138 milhões de habitantes.Com o acréscimo populacional, houve uma maior demanda de água para uso doméstico. A infraestrutura de captação, tratamento e abastecimento pareciam ser suficientes. No entanto, as recentes estiagens revelaram a falta de planejamento e de investimentos do Estado.

Um bom exemplo, em 1960, quando o sistema Cantareira foi projetado, São Paulo contava com 4,8 milhões de habitante, hoje, passa dos 12 milhões. Com a estiagem, o sistema era responsável pelo abastecimento da metrópole, chegou a operar com menos de 4% do volume total. Faltou investimento para interligar os sistemas de mananciais, Norte e Sul.

Desta forma, o Brasil não esta imune à escassez hídrica. Portanto, cabe ao Estado gerenciar os recursos hídricos de acordo com a necessidade do crescimento populacional. Por meio de concessões é possível fazer capitalização e administração desses recursos. Contudo, essas empresas precisam ser fiscalizadas para que a água não seja tratada como uma mercadoria, mas um bem universal. A mídia, de uma forma geral, pode fazer propagandas do consumo consciente da água.

Links