Proselitismo político barato na abertura das Olimpíadas!

Não existe paz sem Justiça.

Não existe civilização sem Justiça.

Podemos definir como Justiça o conjunto de regras que a sociedade cria seguindo as suas tradições, oficializadas através de representantes legítimos do poder e o sistema de aplicação dessas regras, através da Polícia e da estrutura de julgamento e punição para aqueles que não seguem a lei.

Diferentemente do que defendia Rousseau no mito do bom selvagem, o ser humano não nasce com valores morais elevados e vai sendo degenerado pela sociedade. Na verdade é justamente o contrário.

Apenas num ambiente pautado pela Justiça, que podemos também definir como Estado de Direito, é que existe a possibilidade de florescimento das potencialidades humanas e do desenvolvimento dos melhores valores morais.

Apesar de todas as suas falhas, o sistema de democracia representativa e de separação de poderes ainda é o melhor, ou menos ruim sistema de governo que o homem já criou. Através de um processo de debate e de constante ajuste é possível chegar ao melhor arranjo de regras para todos.

A ideologia marxista defende exatamente o oposto. Todo esse castelo construído pela humanidade ao longo de milhares e milhares de anos estaria errado e precisaria ser destruído para ser reconstruído.

Segundo Marx, o sistema de Justiça moderno serviria apenas para defender os opressores e manterem os oprimidos no seu estado de sofrimento. Esse sistema precisaria ser destruído.

A esquerda brasileira e mundial está cada vez mais alinhada com as ideias de Marx, aplicando-as de maneira mais sutil que no passado, o que as torna ainda mais perigosas.

Mais uma vítima da sociedade em ação.

É esse o principal motivo do Brasil produzir a montanha de 60 mil cadáveres por ano em homicídios, sem contar os milhões de casos de outros tipos de violência, como roubos, estupros e lesões corporais.

Esse é EXATAMENTE o objetivo da esquerda. A destruição do modelo de sociedade existente para a criação de um novo. Mas com seria esse novo modelo tão superior? É só dar uma olhada para a Venezuela para saber.

E agora sediando as Olimpíadas, o Brasil dividirá essa grande visão de futuro com o mundo! O nosso melhor produto de exportação, a Top Model Gisele Bundchen, participará de uma encenação na cerimônia de abertura dos jogos onde aparentemente ela é abordada por um assaltante. O susto inicial passa quando o assaltante se apresenta na verdade como um perseguido da polícia pedindo ajuda, no que é prontamente atendido pela bondosa Gisele. É o que informa uma matéria no UOL: http://bit.ly/2aMavmm .

A mensagem é clara: a violência é gerada pela Polícia, o órgão responsável por aplicar a Lei. O assaltante, mesmo que esteja cometendo um crime, é uma vítima do sistema opressor. Ele foi “degenerado” pela sociedade burguesa, pois nasceu bom, mas foi empurrado para o crime por falta de oportunidades…

O problema é global. Nos EUA há uma verdadeira cruzada do próprio presidente americano contra o que ele considera um sistema judicial “falido” que precisa ser reformado. Ele pessoalmente já perdoou centenas de presos por sentenças “injustas”, especialmente traficantes de drogas.

Pior. Policiais americanos estão sendo assassinados, e a justificativa para a barbárie é a violência policial contra negros, um factoide criado pela esquerda americana e alimentado por grupos racistas como Black Lives Matters. Um extensivo estudo recente, confirmado por vários outros, demonstra que na verdade mais brancos morrem em confronto com a Polícia que negros. http://www.nber.org/papers/w22399.pdf . A visão do negro como explorado pelo sistema é utilizada ad nauseam pela esquerda, mesmo que a escravidão tenha acabado há mais de século, pelas mãos de forças conservadoras, diga-se de passagem. O partido democrata americano foi no passado um grande defensor da escravidão, mas hoje se coloca como defensor da minoria negra americana, de uma certa forma criando um novo tipo de escravidão.

Mas a realidade não importa, a narrativa sim, pois ela molda o comportamento das pessoas, facilitando a revolução socialista do sistema.

Essa postura do presidente americano e da esquerda em geral já está fazendo efeito. A criminalidade dos EUA volta a subir nos últimos anos

Voltando para o Brasil, enquanto não voltarmos a lógica básica de aumentar o policiamento e punir bandidos, continuaremos a ser mortos como moscas nas ruas. E aqui há um dado ainda mais perturbador e revelador da perversidade esquerdista.

No Brasil, a esmagadora maioria dos crimes acontecem em comunidades pobres onde há menos presença policial, onde quem domina são os traficantes, que estão livres justamente porque falta mão firme da Justiça para colocá-los na cadeia. Esses locais viram “terra de ninguém” com altíssimos índices de criminalidade. Quando a Polícia é chamada, geralmente é para encerrar uma situação de guerra total e obviamente haverá sangue, inclusive de civis. Aí a esquerda que é a maior responsável por toda a situação usa dados de maior mortalidade de negros pobres nas favelas para vender a ideia que há um “genocídio de negros” nas periferias levado a cabo pela Polícia, pinçando casos de alguma arbitrariedade cometida no meio de uma verdadeira guerra como prova cabal de uma política de “extermínio”. De fato há um genocídio, quem tem as mãos cheias de sangue não são os policiais, mas sim os políticos esquerdistas e os seus apoiadores. Sem contar que as próprias políticas econômica defendidas pela esquerda são as principais causadoras da falta de emprego e geração de riqueza em primeiro lugar!

É preciso ter um alto grau de psicopatia para produzir esse discurso, além de cinismo, agora levado para a cerimônia de abertura das Olimpíadas que será vista em mais de cem países por milhões de pessoas.

O cinismo vira hipocrisia quando esses mesmos políticos esquerdistas exigem do Estado escolta armada para eles e seus familiares. Nesse caso eles querem uma Polícia bem opressora.

E assim vamos involuindo. Se tudo der certo para a esquerda, em alguns anos atingiremos os níveis venezuelanos de homicídio de mais de 100 mortos por cem mil habitantes. A fome voltará a ser um grande problema para o país e instituiremos o trabalho forçado no campo, como Maduro acabou de fazer. Mao e Stalin devem estar sorrindo no Inferno.

One clap, two clap, three clap, forty?

By clapping more or less, you can signal to us which stories really stand out.