Homens, precisamos entrar nessa luta #primeiroassedio

Esse assunto precisa ser imensamente discutido porque, de uma vez por todas, nós HOMENS precisamos entender isso.

Hoje sou adulto, informado e tento aprender cada vez mais com todos esses relatos.

Quando moleque, minhas influências, aprendizados e exemplos eram nos outros, e agir assim com as meninas era o que esperavam de você. A cobrança vinha de todos os lugares e isso não deveria ser uma desculpa e, definitivamente, não pode ser agora.

Eu, provavelmente, assediei uma ou algumas mulheres, porque não tinha consciência da gravidade do que eu estava fazendo. Nunca fiz mal a ninguém por querer, mas, lendo sobre esses relatos, sobre esses assédios, me sinto ridiculamente escroto por provavelmente ter feito isso.

Se você, homem, pensar um pouco, também verá que provavelmente já assediou alguém, seja de maneira mais forte ou mais branda, sabendo ou não o mal que estava causando.

O assédio não é apenas se enfiar a mão entre as pernas ou dar uma encoxada no ônibus ou metrô, também é aquela cantada ridícula, pegar na cintura na hora de dar um tchau, dar um beijo no pescoço em vez de no rosto e tudo que você fizer que possa dar desconforto a outra pessoa.

Isso nunca era pra ser aceitável, mas hoje, com toda a informação que ELAS estão nos passando, é INADMISSÍVEL.

Não quero que meu sobrinho ou filho fiquem sem saber o quanto isso é errado, e muito menos que minha afilhada ou filha tenham que passar por essa situação.

Então, o que peço aos homens é que reflitam. Mas que seja de verdade.

Repense tudo o que fez e o que faz. A informação está aí. Enxergue de uma vez por todas e tente passar isso adiante. Converse com o amigo quando rolar um papo estranho nesse sentido ou tente expor para seus amigos que isso não está certo.

Essa luta só vai ser vencida se nós, HOMENS, também entrarmos nela.

Segue um vídeo para mostrar um pouco a gravidade da situação:

Para aquelas que decepcionei em algum momento da vida, minhas sinceras desculpas.

One clap, two clap, three clap, forty?

By clapping more or less, you can signal to us which stories really stand out.