Hoje é dia

Não, hoje não é dia das mulheres.

Hoje é dia de nos homenagear. Dia de nos dar flores e chocolates, de nos desejar feliz dia, de mostrar serviço e fazer post no facebook pra registrar que “sem vocês não somos nada”. Dia de nos falar parabéns por sermos mulheres, de nos agradecer por sermos mães, namoradas, filhas, irmãs. E hoje também é dia de dizer que “todos os dias são das mulheres”.

Menos no dia do pagamento, quando nossos holerites registram apenas 75% do valor registrado nos seus. Ou no dia em que, de acordo com a roupa que usamos, ‘pedimos’ para ser abusadas. E no dia em que nossas opiniões são diminuídas por sermos “emotivas”, “desequilibradas”, “escandalosas”. Também não é nosso dia quando temos que ouvir ‘cantadas’ e assovios simplesmente por existirmos no espaço público. Nem no dia em que somos julgadas por termos uma vida sexual. Ou ainda no dia em que somos agredidas por recusarmos um desejo não correspondido.

Não, todo dia não é dia das mulheres. Enquanto tivermos medo de sair à noite sozinhas, não é. Enquanto formos agredidas pelas nossas escolhas, não é. Enquanto nossa aparência valer mais do que a nossa capacidade intelectual, não é. Enquanto formos julgadas pelo jeito que nos comportamos, pelo tom de voz com que falamos, pelas roupas que usamos, não será.

No Brasil, a cada 5 minutos, uma mulher é agredida. A cada 11 minutos, uma mulher é estuprada. A cada 2 horas, uma mulher é morta. Tique. Taque. Definitivamente, hoje ainda não é nosso dia.

Por isso, hoje não é dia de nos dar presentes ou parabéns, hoje é dia de lembrar de todas as vezes que somos subjugadas pelo simples fato de sermos mulheres. Hoje é dia de fazer um esforço, de refletir de verdade sobre quantas vezes você foi responsável por alimentar esse inconsciente coletivo que constantemente nos diminui. É dia de aceitar que, honestamente, ou você contribuiu pra ele, ou não fez sua parte para o enfrentar.

Hoje não é dia de desejar felicidades, é dia de promover respeito. Respeito que, nesse caso, vem do silêncio. Não falem, nos ouçam. Estejam dispostos a nos ouvir. É a nossa vez de falar.

Ai, mas quem reclamaria de receber parabéns, flores e chocolates? Chatas.

Somos. Seremos. Desculpa o incômodo.