amor de alma

na primeira vez que ele me viu, depois da minha marca, a tocou como se fosse parte de si e acariciou com delicadeza aquela cicatriz que –ainda– tanto doía, como se o carinho fosse meu para mim mesma.

hoje eu entendo que vivo em tu e tu em mim. que quando te brigo, brigo também comigo e que quando te amo, amo também a mim. é que, mesmo longe, ainda somos par.