A águia

Com as asas pesadas

Quando menos esperamos, catapum! A vida tira o sofá, a pipoca e o cobertor de onde estávamos deitados, a zona de conforto! E nos faz um convite, vamos mudar? A gente diz não, então o convite deixa de ser o convite e começa ser uma obrigação e aí dói e assusta, mas é indispensável.

Tem uma parábola a qual eu mudei meu texto de hoje por conta dela, iria falar sobre empreendedorismo, porém, empreender é correr riscos, lidar com o duvidoso, mas, então, viver é empreender pois lidamos com riscos e situações de decisões, assim como a Águia:

A águia é a ave que possui a maior longevidade da espécie.
Chega a viver 70 anos. Mas para chegar a essa idade, aos 40 anos ela tem que tomar uma séria e difícil decisão.
Aos 40 anos ela está com as unhas compridas e flexíveis, não consegue mais agarrar as suas presas das quais se alimenta. O bico alongado e pontiagudo se curva. Apontando contra o peito estão as asas, envelhecidas e pesadas em função da grossura das penas e, voar já é tão difícil!
Então, a águia só tem duas alternativas: morrer… ou enfrentar um dolorido processo de renovação que irá durar 150 dias.
Esse processo consiste em voar para o alto de uma montanha e se recolher em um ninho próximo a um paredão onde ela não necessite voar.
Então, após encontrar esse lugar, a águia começa a bater com o bico em uma parede até conseguir arrancá-lo. Após arrancá-lo, espera nascer um novo bico, com o qual vai depois arrancar suas unhas. Quando as novas unhas começam a nascer, ela passa a arrancar as velhas penas.
E só após cinco meses sai para o famoso vôo de renovação e para viver então mais 30 anos.
(texto encontrado na internet, sem autor).

Depois de ler isso empreender não virou o foco central do texto, mas a nossa necessidade, em todas as áreas da vida, de transformação e renovação.

O primeiro é "passar a possuir uma nova forma" e renovar é "alterar(-se) para melhor", ambos, talvez em processos diferentes, é necessário começar do zero e isso dilacera nosso ego, pois vivemos em uma sociedade onde recuar é fracassar, e isso é sinônimo de fraqueza e quem é fraco não tem vez, porém, assumir que precisa se transformar e se renovar, e batalhar por isso é ser fraco, deconfiaremos que ser infeliz e bem sucedido é sinal de vitória.

Assim como a águia precisa recuar, se transformar, renovar para dar um dos voos mais lindos da sua vida, acredito que nós também precisamos recuar, no trabalho, em relacionamentos, em hábitos, em tantas coisas que a nossa necessidade passa ser a imersão interior.

Arrancar o bico, no nosso caso é, primeiramente, assumir que não somos perfeitos, reconhecer nossas imperfeições. Arrancar as penas que deixam o vôo mais pesado é arrancar nossos sentimentos de culpa, intolerância, incapacidade de compreender os limites, tudo isso é conosco mesmo, ausência de autocompaixão, e, por último, arrancar as unhas que pegam as presas, para nós é se questionar qual é o nosso propósito de vida, qual o nosso foco, qual a presa que precisamos para nos alimentar.

Dói aceitar e encarar a renovação e a transformação, mas os vôos que podemos dar após essa "limpeza" geral, interna, é muito satisfatório e leve, começamos a viver melhor, ou começamos a viver.

Vôo de renovação