[Fiz a Travessia] Deixei de ser advogada para empreender em temas ligados à nova educação, igualdade de gênero e economia colaborativa

A entrevistada de hoje é a Anna Haddad, da série “Fiz a Travessia”, um projeto para inspirar e incentivar pessoas a fazerem uma transição para serem mais felizes, satisfeitas e realizadas no trabalho e na vida.

Nome: Anna Haddad

Idade: 29

Antes fazia: advogada (direito societário, patrimonial e sucessório em um grande escritório de SP)

Hoje faz: empreende em temas ligados à nova educação, igualdade de gênero e economia colaborativa, principalmente através da Comum, comunidade de mulheres que mistura conteúdo, fórum online e encontros presenciais. Escreve sobre tudo isso também, pra vários veículos e em uma newsletter semanal.

Lella Sá: Por que você faz o que faz hoje?

Anna Haddad: Pra ser mais feliz e livre. Pra conseguir viver tudo o que quero, todas as coisas que me alimentam.

Lella Sá: Por que você decidiu sair da onde estava?

Anna Haddad: Porque sabia que aquela estrutura não ia me deixar levar a vida que eu queria levar. Na época isso não estava tão claro, mas eu já tinha a sensação de que queria mais liberdade e conexão com os outros.

Lella Sá: Como fez essa mudança?

Anna Haddad: Foi aos poucos. Primeiro tomei coragem e saí do escritório. Depois reservei um tempo livre (6 meses) pra viver, sem pressa. Li muito, conversei com muitas pessoas, fui em muitos workshops, oficinas, eventos e encontros. Me conectei com pessoas novas.

Criadoras do Cinese.me, uma plataforma de encontros Giovana Camargo, Camila Haddad e Anna Haddad

Lella Sá: Quais foram os maiores desafios que passou para fazer essa transição?

Anna Haddad: Ansiedade de ter algo resolvido. Temos que aprender a respeitar o tempo das coisas. Isso não significa ficar parado, mas viver com presença e calma, tirando o melhor das coisas.

Lella Sá: Como ficou a questão de grana em meio a incerteza?

Anna Haddad: Eu tinha uma reserva que me permitia tranquilidade. Mas sempre é difícil dizer pras pessoas que você está sem trabalho e que tudo bem. A sociedade cobra um posicionamento profissional objetivo e isso aumenta a carga de ansiedade.

Lella Sá: Qual futuro você está ajudando a criar?

Anna Haddad: De uma sociedade não patriarcal e não machista, de igualdade, com possibilidades de educação com base na empatia, troca e circulação de conhecimento livre.

Nós falando sobre a Comum, feminismo e comunidades de mulheres nessa noite de frio e elegância. Com Giovana Camargo e Carol Patrocinio

Lella Sá: Que dica(s) você daria para quem quer ter um Trabalho com Significado?

Anna Haddad: Se permita. Seja curioso, se conecte, não tenha medo. As coisas vêm no tempo certo. Supere a ansiedade e a ansiedade das pessoas ao seu redor (pais, amigos, companheiro/a).


Se você quer fazer a sua transição para um Trabalho com Significado, faça o Programa Travessia.


Essa história foi útil para você?

Se sim, leia outras histórias e também conheça ferramentas e dicas que vão te ajudar nesse processo de transição!

Se você gostou do texto, clique no ❤ aí embaixo. Fazendo isso, você ajuda essa história a ser encontrada por mais pessoas.