A bandeira dos refugiados olímpicos

10 atletas sem nenhuma equipe nacional. Sem bandeira. E nenhum hino para chamar de seu. Até agora.

A bandeira foi projetada e feita por Yara Said, uma artista e refugiada Síria que vive em Amsterdam. Depois de se formar na faculdade de Belas Artes de Damasco, Yara teve que deixar seu próprio país para procurar um local seguro para viver. Sua inspiração veio de um equipamento de segurança e está astiada junto com as bandeiras das demais nações:

“O laranja e o preto (cor de um colete salva vidas) é um símbolo da solidariedade para com aqueles que cruzam o mar em busca de um novo país. Eu mesma usava um, por isso eu me identifico com essas cores.” Yara Said

Uma equipe de dez atletas refugiados estão competindo nos Jogos Olímpicos Rio 2016 no atletismo, natação e judô.

Judoca congolesa Yolanda Bukasa, que mora no Rio desde 2013, com a bandeira da equipe olímpica de refugiados da Rio-2016. The Refugee Nation

O projeto foi organizado por um coletivo de criativos incluindo: Artur Lipori, Caro Rebello, Rodrigo Moran, Bastien Baumann, Eduardo Lunardi, Arthur Amiune, Renato Tagliari, Belén Márquez, Imen Soltani, Ricard Valero e Elli Hanson, com o apoio da Anistia Internacional.

Hino (bônus)

O hino foi escrito por Moutaz Arian, um compositor refugiado sírio que vive em Istambul. Três anos atrás, ele foi estudar música na Universidade de Damasco. Depois de ser ameaçado para se alistar no exército de Bashar al-Assad, Moutaz decidiu fugir do país.

“Eu quero fazer músicas não apenas para os curdos ou árabes, mas para o mundo todo” Moutaz Arian

Não deixe de conferir os vídeos e apoiar estes atletas. A vitória estará na paz em seus países.

Referência

The refugee nation

Amnesty International

The Refugee Nation Olympic flag was inspired by a lifejacket

Gosto de ouvir opiniões, se tiver alguma; estamos aí. You got it!

One clap, two clap, three clap, forty?

By clapping more or less, you can signal to us which stories really stand out.