O que pode acontecer quando você pede um café e te trazem agua tônica e um doce ?

atendente servindo café

Em um fim de tarde, vindo do trabalho para minha casa, encontrei próximo ao metrô uma cafeteria, que eu conheço de passagem, sem nunca ter entrado. Parei em frente, a atendente cumprimentou-me. Enquanto sentei a pequena distância do balcão, postou-se ao lado de mim, anotou o pedido, e saiu para trazer meu café.

Quando retornou, trouxe dentro da bandeja uma pequena taça com água tônica, uma xícara com café e um doce. A verdade é que eu só vim para tomar o café da tarde, pela primeira vez não soube o que fazer, para com esse gesto, esse costume da casa. Mais por vergonha de demonstrar em não saber, comecei a engolir desajeitado, rápido, porque precisava sair depressa, não tanto, por causa de minha obtusidade, mas por não conseguir reagir de maneira natural a surpresa daquela mudança de rotina.

Quem tem boca vai a Roma, e boca no meu caso é insistência em obter resposta fazendo perguntas para a pessoa certa. Decidir voltar ao mesmo estabelecimento de antes e solicitar outro café, antes porem, perguntar o modo correto de digerir a bebida, não aguentava mais a ansiedade de saber logo essa verdade através da barista, para eu, a pessoa certa que podia socorrer-me.

A barista séria, fitou em mim os olhos, convidou-me a esperar. Quando voltou com a bandeja eu ainda estava tentando adivinhar o que ela ia agora dizer. Esta, agora risonha, foi logo dizendo que eu primeiro teria que beber a água tônica para limpar as papilas gustativas e assim apreciar melhor o sabor do café, o doce era apenas um agrado, um extra, poderia ser comido antes. Compõe apenas o visual de apresentação, mas não tem relevância na degustação do café.

Comecei mal e acabar bem era gratificante.

A single golf clap? Or a long standing ovation?

By clapping more or less, you can signal to us which stories really stand out.