[Sentimento Velado]

Eu não sei ao certo do porque de estar ali, mas eu simplesmente estava, existiam vozes em minha cabeça, vozes que diziam que eu merecia algo um pouco mais próximo de mim, algo parecido comigo.

As coisas haviam mudado, isso era inquestionável, sempre com um alibi qualquer para fugir da realidade, colocávamos a culpa em um problema crônico, mas na realidade o problema estava em nós, entre nós, em algum momento nos perdemos, deixamos talvez o desinteresse se alojar em nossos cômodos, ou até mesmo depois de tantos problemas, tantas retaliações, o que restou de nós foram meras lembranças de um passado bom, a tal da nostalgia.

Ás vezes me sinto como alguém que está ali, velando um corpo, esperando que aquele ente respire a qualquer momento, porém ele não vai respirar, o máximo que poderá acontecer é ele começar a feder.

Tudo poderia ter sido diferente, eu sei que fiz o máximo que pude, passei por cima de mim mais do que deveria, hoje eu já não tenho mais o medo da perda, meu medo maior é de não conseguir sair disso, isso sim me assusta, na realidade eu não sei nem se tenho de onde sair, ou se realmente preciso sair, a única coisa que sinto é um vazio, uma ausência, uma inconstância, não sei o que pensar, o que falar, só sonhar e me calar.

Eu costumava ser uma pessoa mais prática, normalmente eu conseguia me livrar dos problemas, hoje muitas vezes penso que os cultivo, porém essa já é uma outra história, em todo caso, por essa noite ficarei aqui, sob a luz do luar refletida em meu corpo, sentindo o vento que vem de fora, ouvindo o som da noite, velando minhas incapacidades.

Todas as noites eu me pego olhando para as estrelas e dizendo ao universo:

Afasta de mim tudo o que não for verdadeiro.

Esta é a única coisa que espero da vida,

uma vida de verdade.