Desculpa
eu quase nunca sei o que acontece em volta de mim
nem consigo entender a ponto de poder fazer alguma coisa
desculpa eu não saber como lidar com a culpa
de não saber como saber o que fazer em qualquer lugar.

desculpa ser tão pouco e ainda muito que você quer escutar
mas falta tanta certeza e a memória não permite sonhar.
desculpa estar tão séria e abatida, diferente do que há
na tela branca e em tanta gente que grita: linda
sem saber do que não finda, 
da dor, do horror, da lágrima
do lago vago raso e incolor.
A última guerreira, a obra-prima.

Like what you read? Give Léo Ottesen a round of applause.

From a quick cheer to a standing ovation, clap to show how much you enjoyed this story.