a difícil tarefa de estudar, tendo TDHA

Estou em semana de provas e, como sempre, estudar é um desafio. Me preparo com dias de antecedência, sofro, fico ansioso, como igual a uma pessoa que esteve presa por dias sem alimentos, fico angustiado, e por fim, separo todos os conteúdos e me sento para estudar. Por garantia, antes de iniciar os estudos, passo um café fresquinho, deixo próximo a mesa de estudos, coloco o iPod para tocar musicas clássicas, preferencialmente cordas, que me acalmam, e inicio os estudos.

Leio as primeiras linhas, o assunto é interessante, inconscientemente meus dedos começam a tocar a musica que estou ouvindo, sem sequer eu saber tocar piano, minhas pernas ficam eufóricas, troco de musica, volto ao texto, e durante a leitura descubro que existem exatos 168 ladrilhos azuis na parede a minha frente, chacoalho a cabeça e volto a leitura, sociedades limitadas são deveras interessantes. Quando chego finalmente ao terceiro parágrafo, após inúmeras tentativas e releituras dos anteriores, um belo canário passa pela minha janela e eu inconscientemente o sigo ate seu ninho que fica em uma das jabuticabeiras do condomínio, perco com ele alguns minutos pensando na tarde de sol que estou perdendo, me lamurio por não ter estudado antes, quando vejo la se foram cinco preciosos minutos de leitura, volto então ao texto. Mas pera, sobre o que mesmo eu estava lendo? Ok, vamos começar de novo por garantia. Café, ok, musica, ok, texto, ok, mas falta uma coberta nos pés. Nunca esta bom, e para ler míseras 10 paginas eu perco sempre 4 horas, quando não mais.

Algumas pessoas podem dizer que se trata de vagabundagem, outras de falta de foco, eu mesmo me dizia isso o tempo todo, mas ai eu descobri que existem pessoas como eu, que querem, que fazem, que se esforçam mas que não conseguem focar nas coisas, isso é uma coisa mais comum do que eu imaginava, afeta a vida de uma grande parcela da população mundial, e eu achando que eu era vadio, mas não, o que eu tenho mesmo é TDAH e você pode ter alguém igual perto de você. Sabe aquela criança inquieta, respondona, intransigente, inconveniente, criativa, desastrada, que tira notas baixas e que é pintada como burra, ela pode estar mais perdida do que você imagina e o que ela precisa é simplesmente da sua ajuda. Procure um psicólogo e não a deixe ser um adulto que se perde em uma simples leitura. Entre cafés, musicas, pássaros, insetos, ladrilhos, escrevi este texto, agora voltarei ao parágrafo 01, desta vida de TDAH.