Graças a Deus os Mamonas Morreram 20 Anos Atrás…

O título choca né? Mas calma, eu explico.

Há 20 anos atrás surgiu, lá de Guarulhos, uma banda com um bando de doido, cantando músicas cheia de palavrões, fantasiados cada vez de algo diferente (Robin, Pijama, Presidiários, Mulher, etc).

Estava na cara de cada um deles que gostavam do que faziam, que se divertiam. E essa diversão contagiava todo mundo, inclusive aquelas crianças que cantavam a “Brasília Amarela”, ou aquele que apertava a bunda do colega quando dizia “Me passaram a mão na bunda”.

Mas, se era tão bom, contagiante, etc. Porque achar bom eles terem morrido lá atrás?

Alguém consegue imaginar uma banda “Mamonas Assassinas” hoje? Uma banda cantando “ontem eu era Católico, mas hoje eu sou um gay”? Ou “comer tatu é bom, pena que dar nas costas”? Ou uma banda com um disco que a capa são as tetas de uma mulher?

Certamente uma banda dessa seria atacada pelas “minorias” no primeiro show. Seria taxada como uma banda machista, que incentiva a zoofilia, preconceituosa, homofóbica, racista, etc, etc, etc.

Afinal, como tocar na rádio uma música onde o Manuel manda a Maria pra suruba e dá graças a deus que ela foi no seu lugar? Ou uma música pedindo pra não deixar os cabelos do saco enrolar?

Como o produtor da banda (Rick Bonadio) mesmo falou em entrevista, hoje é impossível uma banda dessas fazer sucesso por causa do politicamente correto. Que as piadas hoje não seriam possíveis fazer.

Conseguem entender isso? São piadas, PIADAS.

O que eu acho estranho nisso tudo é que, esse pessoal da Geração Mimimi, que defende as minorias e criticam tudo na volta, são os mesmos que cantavam, dançavam e pulavam cantando Sábado de Sol, Jumento Celestino, Uma Arlinda Mulher, etc.

O que aconteceu nesses 20 anos? Perderam o senso de humor? Ficaram velhos e ficaram chatos, rabugentos? Ou foi a Maria, que voltou da suruba revoltada e começou essa bobagem de politicamente correto?

20 anos atrás, os Mamonas Assassinas venderam 3 milhões de discos, conquistaram uma legião de fãs (que são fãs até hoje, mas ainda ficam com essa hipocrisia de politicamente correto) e marcaram uma época, uma geração. Foi uma banda com um estilo único, que nenhuma outra conseguiu copiar na época. Hoje, muito menos.

Com toda essa nostalgia que os 20 anos da morte dos Mamonas Assassinas gerou, me fez ter certeza que o politicamente incorreto é mais divertido. Afinal, lá todos dançam, brincam e dão risadas das mesmas piadas. Não era assim nos shows?

Show your support

Clapping shows how much you appreciated Leo Goldim’s story.