Geração não tá fácil pra ninguém

Hoje vi um texto que o autor que é publicitário disse que estava contente por ter saído da agência que estava trabalhando e ter ido viver a vida livre e feliz, bem vibe textão do Medium com aquela pegada revista Vida Simples, sabe?

Ele disse que o trabalho dele não estava permitindo que ele fosse honesto, era estressante, estava sem paz e a saúde indo pelo ralo. Terminei de ler e pensei no meu trabalho, em tudo que já fiz até agora, pelas agências de publicidade que passei e também as histórias de amigos publicitários ou não e cheguei à um ponto: o textão era uma reclamação sobre a vida, não sobre o trabalho.

Quem tem uma vida fácil, acredita que a vida é fácil. Olha, ela não é. Pra ninguém. E se você for publicitário, então vai ter que aprender a jogar o jogo. Não tô dizendo pra se meter com o lado escuro da propaganda, mas digo que as vezes a gente tem que flexibilizar alguns valores e abrir mão de algumas coisas para conseguir vislumbrar seu próprio lugarzinho ao sol.

Já tem quase dois anos que terminei a faculdade, comecei a trabalhar no segundo semestre e já passei por um monte de agências legais e com clientes legais, mas sigo na luta pra ter VR e Plano de Saúde e essas coisas que meu pai vivia dizendo que tinha que ter — a tal CLT.

As vezes me sinto exausto, esgotado, mas realmente sinto que as coisas não aconteceram porque não estava na hora certa e vejo como estou melhor hoje. Minhas frustrações com meu trabalho não viram textões por aí, meu ponto de partida é que eu sempre tenho algo para aprender e vou trabalhar com pessoas e em lugares que pensam diferente de mim e tem culturas e estruturas diferentes daquelas que já experimentei e achei confortável.

Acho que de tanto colocarem rótulo nas gerações que abandonam tudo porque não querem responsabilidade, querem lugar cool descole etc, a galera acabou vestindo a carapuça e comprando a ideia de ser a Alice no País dos Jobs.

Vamos ser francos, a gente precisa mesmo é de dinheiro para pagar as contas e com o que sobrar, viver a vida fora do escritório. Não dá pra viver idealizando trabalho, se sentido vítima, reclamando de tudo.

Tem jeito pra tudo:
Se não tá satisfeito, mude! 
Se mudou de emprego e nada mudou, então o problema é você. Mude-se!
Se você gosta do que está fazendo e de onde trabalha, mas algo ainda te incomoda: tente colocar sua personalidade no que está fazendo e prove que existem jeitos melhores de trabalhar.
Sofra menos, tem coisas piores lá fora.

Grite por ajuda, chorar no banheiro e fazer textão não vai adiantar nada.
Siga aquela famigerada dica: aprenda com seus erros. 
E sério, confie em você. Assuma sua responsabilidade e faça as coisas acontecerem.

MAS PELO AMOR DE DEUS: não reclame como se só você tivesse problemas no trabalho e a vida fosse dura apenas contigo. Não tá fácil pra ninguém, então vamos se ajudando. ;)

Like what you read? Give Leo Maia a round of applause.

From a quick cheer to a standing ovation, clap to show how much you enjoyed this story.