Resuminhos

Para ler ao som de “Outono” de Vivaldi.

Certo dia, como sempre, vagava em desatino
Então, em meio ao meu caminho, 
Tiro do bolso um papel espesso,
Olho, abro e leio:

Resuminhos, mostrando todos os caminhos
Trazendo vida às roupas pretas de linho
Trazendo paz aos sonhos turvos do menino.

Resuminhos, a cada frase se forma um sorriso
E cada estrofe é como rosas num buquê pra Dionísio
Enebriante e doce como um copo cheio de vinho.

Resuminhos, 
A espera que poderia então tragar meus raciocínios
Se torna tenra,
Pois sei que quando chegar o dia
Vou sentar no chão gramado
Por na madeira os pés descalços
Sem estar preso à estes domínios.

Show your support

Clapping shows how much you appreciated Leo Fazio’s story.