O que aprendi fazendo um banco sozinho

Alô alô terráqueos! Bem-vindos ao meu blog pessoal :)
Hoje eu vim relatar minha experiência criando um banco sozinho, o que vem sendo uma jornada um tanto quanto arriscada e solitária.

Para aqueles que não me conhecem, me chamo Leonardo Marciano. Tenho 19 anos e programo faz praticamente uma década. Com 13 anos eu e alguns amigos abrimos minha primeira empresa, que por um bom tempo sustentava meus custos. Porém, nos últimos dois anos, minha vida desandou de vez na tentativa de inovar no mercado financeiro.

Considero o Elon Musk minha referência de vida, porque ele está mais para o novo Kayne West do que para o novo Steve Jobs.

De onde surgiu essa ideia?

Em 2016 eu lancei um conceito chamado EVBank, uma plataforma de pagamento que encapsulava as demais. Você não consegue enviar ativos do PagSeguro para o PayPal por causa do conflito de plataformas, correto? Com o EVBank, que entrava como intermediador deste serviço, era possível não só completar essas ações, mas também parcelar compras em mais de um cartão de credito de maneira simplificada e com fatura única.

Fiz um MVP e tentei levar para alguns investidores, mas riram da minha cara pois na época eu tinha apenas 16 anos, e era muito afobado e imaturo.

Depois disso eu comecei a me envolver mais no ramo de investimentos e criptomoedas e acabei entrando em diversos projetos voltados para esse lado do mercado financeiro, inclusive com uma corretora de ativos digitais (um nome bonito para criptomoedas) e nela cheguei a criar minha própria base de blockchain centralizada, integrada à comparação de resultados com inteligência artificial.

Pode parecer um absurdo, mas com 16 anos eu estava batendo na mesa enquanto negociava com o presidente da XP Investimentos, com uma corretora de cripto moedas que eu fiz junto com o pessoal da Bzz, e nessa mesma época fui embaixador de inovação da The Linux Foundation.

Foi nesse tempo que comecei a validar a ideia para o meu banco, percebendo as défices que existiam nesse ramo do mercado e aplicando meus conceitos no nome dessa corretora para conseguir captar leads e verificar se alguma feature tinha reação no mercado.

Foram três anos capturando leads e modelando um produto concredo, e nesse processo capturei mais de seis milhões de feedbacks distintos.

Por Niko Lunar (Behance)

Modelando um novo futuro

Quando comecei a estudar inovação e tendência de mercado, consegui entender que existiam diversas défices. Comecei a estipular dai um prazo médio para começarem a surgir soluções para esses problemas. Aqui foi o momento de sair na rua e começar a questionar as pessoas sobre como elas gostariam de interagir com seu banco, indo de comércio a comércio e entendendo a visão das pessoas sobre o futuro das cripto-moedas, baseado no conhecimento individual delas.

Nesse meio tempo, lancei diversas landings na internet e algumas na deep web, pois precisava entender tanto a utilização comum quanto a mais avançada e por diversas vezes errada do mercado que surgia. Estudei pra caramba em aulas gravadas de universidades como Stanford e Harvard, completei um catálogo de mais de 60 cursos no Udemy e quatro nanodegrees no Udacity.

Venci diversos Hackathonss e até fui convidado para ir pra Dubai com todas minhas despesas pagas (confere meu outro post onde eu conto sobre isso!)

Eu nunca me senti capaz de fazer esse projeto sozinho, então sempre estive buscando uma equipe, mas com um pensamento teimoso e persistente: "vou desenvolvendo sozinho e uma hora encontro uma equipe, né não?"

Com os dados coletados, criei um gráfico gigantesco comparando o que já existe com o que maioria das pessoas gostariam de ver num banco, e foi então que encontrei a minha oportunidade de mercado: entregando o que as pessoas gostariam de ter. Mas é impossível alegrar a todos, correto? Bom, eu sempre me defino pela minha capacidade de superar o impossível, e por isso sei que vou alegrar o maior número possível de pessoas que eu puder :)

Com medo da comunidade Brasileira de startups (e você pode entender o porque deste meu medo nesse post aqui), comecei a fazer tudo na miúda, mas validando cada passo em forums ou com mentores fod@s que me ajudaram demais ao longo do tempo!

Com o pé no chão, meu objetivo era ser um empreendedor-fullstack ("tudo em um"), então comecei a frequentar tudo que era tipo de evento, de diversos conteúdos e a trabalhar com empresas para aprender sobre a cultura interna delas e absorver o máximo de conhecimento que eu pudesse.

Olha eu na Associação Brasileira de Startups.

Com dados e o mínimo de experiência prática para não fracassar imediatamente, e muita, mas muita persistência, comecei a desenvolver o meu MVP. Ao longo do projeto, para tudo o que eu não era capaz de fazer por mim mesmo por falta de habilidade ou tempo, pagava alguém ou utilizava minha rede pra conseguir algum conselho de como alcançar os objetivos que eu precisava. (Agradecimentos especiais ao pessoal da Bzz, Jean Monteiro, Marcelo Salomão, Daniel Marigliano, Amanda Rocha e vários outros selos de comunidade).

Meu primeiro passo foi conseguir ligação com alguma custodiante principal. Por coincidência do destino, acabei conhecendo o CEO da maior carteira de ativos virtuais do mundo numa conferência e tivemos uma conexão mental muito boa, eu sentia que ele me tratava como se eu estivesse no mesmo nível que ele. Na verdade, nas palavras dele, não iria demorar muito para passá-lo. E esse incentivo foi tudo que eu precisava para sentar e codar.

Passando por um total de 8 versões diferentes, com avaliação pública e MUITA MENTORIA DE UX, essa foi a primeira versão:

Já estava TUDO PROGRAMADO, MVP pronto!

E no meio desse caminho, fui um pouco além e fiz uma integração direta com bancos gigantes Norte Americanos, entre eles Chase Bank, Capital One e USBank! E todos os diretores destes bancos ficavam encantados com minha persistência e liberdade, e nenhum deles acreditou na minha idade hahaha!

E o nome?

Esse foi quase o mais difícil. Semanas e semanas buscando palavras relevantes e significados especiais, mas no fim, eu me agradei do nome que ficou, pois descreve bem a sensação que quero levar aos meus futuros clientes:

Conheçam o Sudo, tipo um banco… só que quem controla é você.

Versão mínima viável, aprovada em todos os testes de usabilidade.

Eu gastei bastante tempo, dinheiro e principalmente esforço neste projeto, incrivelmente banquei todos os custos sozinho e estou super satisfeito com o resultado. Em breve teremos um banco vinculado com a maior custodiante de ativos do mundo. Será algo grande? Somente o tempo dirá, mas estejam certos que cada decisão é feita pensando em você.

O que aprendi nesse meio tempo?

Bom, acredito que aprendi a confiar mais em mim mesmo e me dedicar mais, mas acima de tudo ser grato e entender que sem esforço não existe resultado.

E qual é minha motivação?

Nem eu sei, talvez a ideia de ser capaz de chamar o Elon Musk para um churrasco um dia hahaha! Não consigo explicar exatamente o que me motiva a trabalhar mais de 14 horas por dia, mas talvez seja amor pelo que faço, e talvez por isso também tenho tido resultados tão excelentes, e muito ainda está por vir.

**Sudo ainda não é um banco, mas esse é o objetivo principal!

Marciano, Leonardo
Fundador da Marciano Foundation, Inc., presente em três continentes.
marciano.io