I still ain’t got what I want

Sim, vai ter apresentação. Assim como no Tumblr, blogspot, Wordpress e no Flogão.

Minha última teoria sobre mim é de que sou daquelas pessoas fadadas a nunca encontrar uma verdadeira paixão única na vida. E no embalo momentâneo da minha rotina (TCC) deixa eu dar um recado pros millennials: TEJE PRONTO! Se você está se descobrindo assim, as pessoas tendem a dar pitaco lá pelo quinto esporte coletivo ou terceira língua estrangeira que você aprender só para entender. Você pode nunca se tornar referência pra nenhum familiar com problemas, mas serve para aprender a gostar das coisas pequenas. Ah! E não tente discutir com a geração X, eles já se acham a geração Coca-Cola, nada vai mudar isso. Todo mundo já disse que eles estavam errados a vida toda, eles odeiam.

Outra coisa: não deixe a inveja que um pessoal mais velho tem de você te fazer acreditar que você não sabe amar, ou que é egoísta. Eles só queriam poder ter feito boomerangs das coisas que viveram.

Mas se eu não vou me apaixonar por escrever aqui então por que começar? Porque eu posso, a liquidez está aí e nós vamos encher a cara. Eu cheguei na internet faz tempo – não tanto tempo, não mijo de porta aberta, só fuço a geladeira. Não era tudo mato, mas a galera andava de carroça –, e como é de praxe vamos experimentar a parada antes de xingar no Twitter. Eu apagar o app daqui uns meses não tira o crédito do que eu sentia quando escrevia aqui, só quer dizer que no app do lado tem uma fonte mais descolada.

Essa página aqui pode servir como um apoio pra esse pensamento bater recorde e chegar no fim do ano. Sabe essa fluidez nossa? Pode ser um alvo fácil, eu mesmo tenho a sensação de que fico devendo em tudo que crio. O mundo pesa, eu vou vir aqui quando quiser pegar tudo e pisar em cima.

Meu nome é Leonardo Mion Fromholtz, eu nasci em fevereiro de 1995.