Dreads

- Foda-se a minha etnia! Eu sigo o Rei dos Reis e seu pedido é inadmissível.

- Então vem, Rei dos Reis, Leão Conquistador da Tribo de Judah, ruge pra mim.

- Que isso, mulher!? Eu sou um humilde servo. Só quem merece o título de Leão é Hailê Selassiê.

- Se tu é servo, me sirva ao menos uma vez, seu vagabundo!

- Sou servo porém livre! Além do mais, isso é uma puta heresia. Anti-higiênica, inclusive.

- Porra, mas que rastafari chato você é! Bob curtia uma sacanagem, não curtia? Olha a caralhada de filho que ele deixou.

- Deixou, mas duvido que penetrou o dread na vagina de alguém.

- Não era bem na vagina que eu queria, amor.

- Você sabe o trabalho que dá pra cultivar e manter isso aqui?

- Ai, que vaidoso.

- Não podemos fazer outra coisa?

- Podemos inaugurar um novo fetiche?

- Você tá bêbada.

- Dreadfucking?

- Desculpa, mas não é só um visual descolado.

- Ah, claro! Um loirinho de Moema que cultua um Deus Etíope. Toma vergonha nessa cara.

- Toma você! Quem vai ficar com o dread exalando cu por aí serei eu. É indigno!

- Devia te excitar.
- Não tenho essa perversão.
- Nem se te compensar depois pela dádiva?

- Parece um favor bem abjeto.

- Se você fosse um negão de verdade, talvez eu não estivesse quase implorando por esse “favor”.

- Tá insinuando que tenho o pau pequeno porque sou branco?

- Insinuando que você não gosta.

- Ok, então vira! Depois não reclama se te contaminar.

- Sabia!

- O quê?

- Pode ser mórmon, muçulmano, satanista, o que for!
- Como assim?
- Bastou duvidar da masculinidade que você já caga sobre o Levítico e limpa a bunda com o Velho Testamento.

- Ainda podemos desistir.
- Vem cá, Predador! Mas com jeitinho porque eu nunca fiz isso.